domingo, 30 de novembro de 2014

Papa Francisco quer que Muçulmanos, Judeus e Cristãos tenham a mesma lei. Será Possível?


Um dos argumentos que uso mais no meu recente artigo que publiquei no Reino Unido, é que não se pode ter uma lei universal sem se resolver a questão religiosa. E em se tratando do Islã, Alá expressamente proíbe que todos tenham a mesma lei, no verso 5:48. Alá declara que estabeleceu diferentes religiões com diferentes lei, porque ele quis, se ele quisesse tinha estabelecido apenas uma nação, com apenas uma lei, mas que o Alcorão é a verdade

O Papa viajou para a Turquia recentemente, e repetiu o que vem dizendo há muito tempo: "não se pode usar religião para a guerra", "deve-se "parar" os terroristas, mas também mandar dinheiro para os países do Oriente Médio, para que não se crie terroristas.

Eu já falei aqui dessa bobagem de dizer que não pode usar religião para fazer guerra, basta ler o Velho Testamento, ou ter adoração por São Miguel Arcanjo.

Sobre esse negócio de mandar dinheiro, todas as pesquisas mostram que os terroristas não são pobres. Ver a pesquisa Rand por exemplo, pelo contrário, terroristas por vezes são riquíssimos, ver Bin Laden, como caso mais óbvio.

Agora Papa Francisco diz:

“It is essential that all citizens – Muslim, Jewish and Christian – both in the provision and practice of the law, enjoy the same rights and respect the same duties” ("É essencial que todos os cidadãos - muçulmanos, judeus e cristãos - tanto na prestação e na prática da lei, gozem dos mesmos direitos e respeitem os mesmos deveres")

Quem fala que todos devem ter a mesma lei, com deveres e direitos despreza o fator religioso, é isso que falo no meu artigo.

Além disso, o Papa não lembrou, mas a Turquia já teve muitos cristãos, hoje eles escondem os seus crucifixos, e são apenas 1% da população, sob domínio Erdogan.


(Agradeço o discurso do Papa Francisco ao site Jihad Watch, que comenta o apoio ao pobrrs para acabar com o terrorismo)

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Chesterton era Glutão e Alcoólatra? Dale Alhquist responde


Eu comprei no ano passado a blusa acima, que mostra uma frase de Chesterton: In Catholicism, the Pint, the Pipe and the Cross can all be together (No Catolicismo, a bebida, o charuto, e a cruz podem estar juntos). Se quiser comprar a blusa, clique aqui.

Eu já escrevi aqui no blog que um dos possíveis empecilhos para a santificação de G.K. Chesterton foram algumas palavras que ele disse após a morte de seu irmão, Cecil Chesterton. O irmão de G.K. Chesterton tinha uma posição muito anti-judia e sofreu com isso, Chesterton especialmente no funeral do irmão disse algumas palavras impensadas, mas nada nem de longe tão importante quanto a posição de GK Chesterton contra o nazismo, como disse um judeu.

Agora aparece outra acusação, a de que GK Chesterton não podia ser santo porque comia e bebia além da conta. Faltaria a Chesterton um das virtudes cardeais: a temperança.

Quem escreveu sobre isso foi Steven Drummel. Quando eu li o artigo de Drummel, eu comentei que santos não são perfeitos. São Tomás de Aquino não aceitou a Doutrina da Imaculada Conceição, por exemplo, sem falar que São Tomás era bem gordo, e Madre Teresa de Calcutá aceitou dinheiro de ditadores perversos e defendeu o ato de receber dinheiro deles. Além disso, eu sugeri que Drummel propusesse santificar a mulher de Obama, Michelle Obama, que anda por aí propondo "comida saudável".

Mas nada melhor do que ouvir o presidente da Sociedade Chesterton Americana, Dale Alhquist, respondendo Drummel.

Dale Alhquist está impecável.

Estou em um dia bem complicado para traduzir o texto brilhante de Alhquist. Vou colocar abaixo apenas parte do texto original. Leiam todo no site Catholic Household.

Chesterton the Glutton and the Drunk



When I had the privilege of making the announcement in August, 2013, that the Catholic Church was going to appoint an investigator to look into the possibility of opening the Cause for G.K. Chesterton, there was an immediate and widespread response around the world. While it was generally positive, in fact, uproariously positive, there was also a surprising number of people who were anxious to appoint themselves Devil’s Advocate, as if Satan does not have an easy enough time getting recruits for his work.
The most recent self-appointment is Mr. Steven Drummel, who has made the case that Chesterton cannot be counted among the saints because of his obvious intemperance. The trouble with attacking a giant is that though one imagines the large target as easy to hit, the result is often that one simply gets crushed for his efforts. Mr. Drummel has written an interesting and provocative piece, but he has done himself no favors by going after the giant G.K. Chesterton, first by pointing out that he was in fact a giant, but then by blaming him for it. I’m afraid he has only ended up making himself look. . . small.
My first reaction after reading Mr. Drummel’s piece was not something that Chesterton said (which is usually my first reaction to anything), but something that Jesus said: 

“The Son of man came eating and drinking, and they say, ‘Behold, a glutton and a drunkard. . .!’ Yet wisdom is justified by her deeds.” (Matt. 11:19)

Wisdom is justified by her deeds.

Let us be clear. G.K. Chesterton was a virtuous man. His goodness drew other people to him, made him one of the most admirable figures of his time, made would-be enemies into friends, and made people change their own lives. That goodness still has the same effect almost 80 years after his death. It exudes from his writings. One cannot read a lot of Chesterton without the firm realization: “A good man wrote this.” He not only speaks the truth, he speaks it in love, and he speaks it from goodness. His incredible spiritual insight comes from an intimate friendship with God. Father Robert Wild in his recent book The Tumbler of God, argues persuasively that Chesterton should be counted not only among the great mystics, but among the saints. I have been promoting Chesterton’s cause for years, because I have come to know his holiness and his goodness, seeing it not only evident in his life and his words, but as part of  a growing cult of devotion to him. His heroic virtue continues to draw a new generation to Chesterton—and to God. I have a list of hundreds of people who have become Catholic as a result of reading Chesterton. I am on that list. I have been reading Chesterton for 33 years and I still have not read everything he wrote. No one has. But I’ve read more than just about anyone. His books represent only a fraction of what he wrote. He was primarily a journalist, and in his mountain of throwaway newspaper columns, Chesterton hides nothing. He reveals himself utterly, writing honestly and truthfully and fairly (and always a under a deadline). What he reveals is goodness. No one is going to tell me that I am reading a glutton and a drunk.
But Chesterton did in fact defend drinking (and smoking!), which is a shock for a society that is still afflicted with the puritanism of its past. Chesterton was writing during Prohibition in America (and with Prohibition being threatened in his native England). He was as incredulous that such a thing could happen as we are now about some of the insane laws that have been forced on us today. “The custom of drinking fermented liquor,” he writes, “is an ancient, normal, and nearly universal custom of mankind, and rather especially of the most civilised part of mankind.” He stood up for the local pub as a place of joyful conviviality. It was not a place of solitary drunkenness, like an American bar. The so-called “temperance” societies of his time were in fact abstinence societies. He regards on forced abstinence as a social evil with nasty repercussions because it goes against a natural and normal tradition and will provoke an over-reaction against it. But even the evils associated with drink he considers minor in comparison with the abuse of other freedoms: “I could never see why a man who is not free to open his mouth to drink should be free to open it to talk. Talking does far more direct harm to other people.”
Chesterton certainly understands the importance of temperance: “The great value of temperance is not that it increases restraint, but that it increases enjoyment.” He says it is unnatural to be drunk. And it is evil. “The real case against drunkenness is not that it calls up the beast, but that it calls up the Devil.”
Mr. Drummel makes far too much of the bit of textual evidence he has unearthed to shore up the case for Chesterton the Glutton and the Drunk. The one account of Chesterton possibly being tipsy and actually falling (which happened in the dark, and in 1911, long before his conversion) is shored up by. . . well, by nothing. There are simply no other accounts of Chesterton being drunk. None. Chesterton is not one who called up the Devil.
He and his beloved wife Frances enjoyed arguments about many things. Theirs is one of the great love stories. Their occasional arguments about alcohol were jovial like their other arguments. Neither Chesterton nor Frances was ever in good health (she often with worse maladies than he). There were two times in his life when his doctor had him refrain from alcohol for a period, and the greatest difficultly for Chesterton during these times did not come from having to abstain himself, which he did dutifully, but from not being able to offer a drink  to his guests. He poked fun at Frances not allowing it and still claiming it was a Christian household! To suggest that there was alcoholism in their household is not just irresponsible speculation. It is calumny.
“Drink when you are happy,” he advises, “not when you are miserable.” Chesterton was not a miserable man. He was a happy man....
As for over-eating, there are some accounts of Chesterton eating absent-mindedly if food was in front of him, and the fact that he loved beef and disliked vegetables (but not as much as he disliked vegetarianism!) but this does not constitute gluttony. It is true that George Bernard Shaw, chewing on grass, lived much longer than Chesterton. But Shaw was wrong about almost everything. And who would you rather be? But again, the evidence of gluttony is simply not there, other than the photographic evidence that Chesterton was fat, along with his wonderful jokes on himself about his great size: “It is impossible to be fat in secret.” And: “I enjoy myself more than other men because there is such a lot of me having a good time.” But with his great size came great humility: “I know that the thin monks were holy, but I am sure that the fat monks were humble.”
Perhaps the most disingenuous part of Mr. Drummel’s piece is that he so quickly prevents the fat saints from coming to Chesterton’s defense. He says that Thomas Aquinas wasn’t really fat and John XXIII was only fat by some other means than eating. But the same could be said for Chesterton in both cases. Thomas had his thin and athletic period (So did Chesterton), but he also had his sedentary period where he was mostly sitting and writing and had to have part of the table cut out in front of him to accommodate his stomach (not even Chesterton came to this). Furthermore, Thomas’ poor health gave him an early death, but not before he wrote more than one man could conceivably write in one lifetime, and all of it overflowing with truth (except for Chesterton, who did the same thing). As for the John XXIII comparison, that he “ate like a bird,” Chesterton’s secretary, Dorothy Collins, said she was amazed at how little Chesterton ate. Also, Chesterton’s lifelong friend Edmund Clerihew Bentley maintained that Chesterton did not eat that much and that his weight problem was due to a glandular condition. Even Chesterton’s physical collapse in 1914 has never been fully understood. The descriptions of his symptoms as well as the cause of them are mysterious and contradictory.
We are a living in a new age of Prohibition, and the idea of a tobacco user being canonized is simply unimaginable. Of course, we might point out that St. Pius X enjoyed snuff. St. Damian smoked a pipe. So did Blessed Pier Giorgio Frassati (though the pipe was airbrushed out of his mouth in the famous photo that hung in St. Peter’s Square at his beatification. Puritans lurk in the Vatican as well as on Catholic websites.) Pope Benedict XVI, who is not yet canonized, smokes cigarettes. But it will probably kill him and then keep him out of heaven. 

---

Dale Alhquist não deixa passar nada contra Chesterton e sempre escreve muito bem.

Continuo com orgulho de defender a santidade de Chesterton e tomando as cervejas que gosto com temperança, como fazia Chesterton.


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Minhas Publicações: Guerra Justa, Islã, Terrorismo, Mudança Climática, Finanças Internacionais, Commodities.


Bom, em destaque vai meu livro "Teoria e Tradição da Guerra Justa: Do Império Romano ao Estado Islâmlico", publicado pela Editora Vide Editorial. É a coisa mais relevante que fiz na minha vida  em termos profissionais e a editora fez um trabalho sensacional, profissional, tanto na capa, como no tipo de papel, como na revisão, etc. Agradeço muito ao editor Diogo Chiuso.  Acessem o site da Editora ou outros sites, como a Amazon, para adquirir o livro.

Vocês vão ver que eu tenho escrito sobre coisas muito diferentes e, graças a Deus, tenho conseguido publicar, depois de muito esforço. Pois como os assuntos são bem distintos eu acabo enfrentando grupos de analistas bem diferentes, que não fazem parte da minha área de formação natural, e por isso eles  têm mais facilidade de negar o artigo. Eu sou um completo estranho para os avaliadores e editores dos journals. Por isso, fico mais orgulhoso quando consigo publicar, pois é um sinal de que a ideia do meu artigo foi bem convincente.

As minhas publicações em forma de artigo vão desde questões econômicas brasileiras até um artigo que trata exclusivamente sobre a religião islâmica.

O artigo que considero mais importante que já escrevi se chama Trying to Catch the Deluge: Shari'ah, Terrorism and Religious Freedom, que poderia ser traduzido por "Tentando Conter o Dilúvio: Sharia, Terrorismo e Liberdade Religiosa". Foram quase três anos de estudo e eu o apresentei em quatro países diferentes. 

No artigo, eu discuto como o Islã trata o "Povo do Livro" (judeus e cristãos), terrorismo, e liberdade religiosa, além de analisar se Alá comanda que os fiéis amem o inimigo (infiel ou pecador), como Cristo fez. Faço toda a análise observando o que diz o Alcorão.

E por que dilúvio no título? Porque no artigo eu faço uma crítica às ciências sociais de hoje em dia que abandonaram completamente o conhecimento sobre teologia (revelada ou natural), mas continua falando de assuntos extremamente relacionados a religião, como Sharia, Terrorismo e Liberdade Religiosa. O dilúvio é porque o conhecimento sobre religião exige muito do estudioso, é um conhecimento muito vasto, mas os modernos tentando conter a dimensão desse conhecimento para falar de religião, como se tentassem não enxergar um dilúvio ou tentassem conter um dilúvio com um copo de papel.

O título também é inspirado em uma música que gosto muito, chamada Don't Dream Its Over, do grupo Crowded House.  Eu já coloquei a letra desta música aqui no blog e um vídeo de Susan Boyle cantando-a.

Em 2014, eu publiquei outro artigo, dessa vez sobre commodities e industrialização no Brasil. Vejam abaixo minha lista de artigos, muitos podem ser acessados na internet. Não são muitos artigos, tenho amigos que publicaram 5 vezes mais, mas são todos importantes para mim, revelam uma fase da minha vida profissional e todo esforço que fiz para publicá-los.

Journal of Law & Justice - Reino Unido
Artigo “Trying to Catch the Deluge: Shari'ah, Terrorism and Religious Freedom" a ser publicado em novembro de 2014.Abstract está disponível em http://www.lawandjustice.org.uk/LJarticles.htm

Escola de Administração Fazendária –ESAF
Artigo “Desafios na Terra Média: Commodities e Indústria no Brasil" publicado no Caderno de Finanças Públicas, n.13. dez/2013, pp 133-173. Disponível em http://www.esaf.fazenda.gov.br/a_esaf/biblioteca/cadernos-de-financas-publicas

Journal World Environment - Estados Unidos
Artigo “The Immoderate Complexities to Model Government and the Environment”, 2012, Volume 2, Number 5. Disponível no site http://www.sapub.org/journal/archive.aspx?journalid=1004&issueid=713

Ambivium Institute Press - Estados Unidos
Artigo “Tear Down this Wall: The Tri-Border Area Terrorism”. Incluído no livro  Global Security: Flexibility, Issues, and the Thin Lines on the War Against Terrorism. Ed. Nubert Boubeka. Ambivium Institute Press. 2012. Disponível na Amazon: http://www.amazon.com/Global-Security-Flexibility-Against-Terrorism/dp/0615644376/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1363956242&sr=8-1&keywords=boubeka

Donetsk: Donetsk National Technical University, 2011 - Ucrânia

Journal of Risk Finance – Estados Unidos
Artigo “10 Years’ Analysis on Sovereign Risk: Noise Rater Risk, Panels and Errors”. Volume 10, Issue 2, April 2009, pp 107-130.

Contexto Internacional – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Artigo: “Mudança Climática e Gasto Público”, vol 30, nº 1, 2008.

Prêmio do Tesouro Nacional
Obtida menção honrosa pelo artigo “Gerenciamento de Risco Soberano: Fatores Observados e Erros Praticados pelas Agências de Classificação de Risco”, publicado em 2005.

Revista da Associação Brasileira de Orçamento Público
Artigo: “Os impactos da Lei Complementar nº. 87”. Publicado em 1997.


--
Vejam se os artigos interessam a vocês. E se quiserem algum artigo me enviem um comentário com o email de vocês.

E agradeço muito se comprarem meu livro.



quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Contaram os Mortos do Terrorismo em 2013: Aumento de 61% em 10 mil (!) Ataques.


O Institute for Economics and Peace acompanha o número de mortos do terrorismo global. E o númeors são assustadores. No relatório do Instituo de 2014, que avalia os mortos do ano anterior, observou-se que em 2013 houve quase 10 mil ataques terroristas, isto mesmo quase 10 mil ataques em apenas um ano, aumento de 44% em relação ao número de ataques de 2012. Nestes ataques, quase 18 mil pessoas morreram, um aumento de 61% no números de mortos pelo terror em relação a 2012.

Mais de 80% dos ataques terroristas foram concentrados em apenas 5 países: Iraque, Afeganistão, Paquistão, Nigéria e Síria. No Iraque houve aumento de 164% (!) no número de mortes.

O que estes países têm em comum?

Quatro grupos terroristas foram responsáveis por 66% de todas as mortes: ISIS, Boko Haram, Al Qaeda e Talibã.

Apesar da concentração em poucos países há aumento do terror em muitos outros países: Bangladesh, Burundi, República Centro-Africana, Costa do Marfim, Irã, Israel, Mali, México, Myanmar, Sri Lanka e Uganda.

Vejam gráfico abaixo.




quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Papa Bento XVI em Ação. Corrige Texto de 1972 e Atinge Cardeal Kasper


O cardeal Kasper costuma mencionar o artigo do Papa Bento XVI de 1972, em que o então cardeal Ratzinger defendeu a comunhão para divorciados que se casaram novamente. Mas agora foi feita uma edição das obras do Papa Bento XVI, e ele resolveu editar este artigo e mudar esta conclusão, retirando as palavras usadas por Kasper e defendendo no lugar um aprimoramento do processo de anulação de casamento.

Em 1972, o cardeal Ratzinger dizia que o casamento era sim indissolúvel, mas se um segundo casamento por um longo período fosse para engradecimento moral e elevação da fé talvez pudesse ser admitido que recebesse a comunhão. Agora, o Papa Bento XVI mudou todo este argumento ressaltando a indissolubilidade do casamento e afastando a hipótese de comunhão de divorciados que se casaram novamente.

A revelação da edição do artigo foi feita pelo jornal alemão Suddeutsche. O jornalista que escreveu sobre o assunto não gostou da edição do artigo feita pelo Papa Bento XVI. Mas eu adorei.  

Quem me sugeriu este artigo do Suddeutsche, foi o site Dyspetic Mutterings. Lá ele inclui um link para a tradução para o inglês do que disse o jornal, usando o Google Translate, que sempre traz uma tradução rápida mas ruim. Mas vou fazer o mesmo que o Dyspetic Mutterings e disponibilizar um link para a tradução dessa feita para o português. Aqui vai.

O Papa Bento XVI está "alive and kicking" (vivo e chutando) os que atacam a doutrina.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

O Que é a Palestina? Hoje, Mais um Ataque Terrorista.


Vejam esta bandeira acima. Vocês acham que uma bandeira da Palestina teria uma Estrela de Davi? Pois é, a bandeira da Palestina já foi esta.

Por quê? Porque a ideia de uma região chamada Palestina, veio dos Romanos, no ano 134 d.C, depois que eles expulsaram os judeus. O nome Palestina é derivado de Filisteus, inimigos históricos dos judeus na Bíblia. Quem deu o nome Palestina não foram muçulmanos, mesmo porque o Islã só surgiu depois de 5 séculos após o nome Palestina. E o nome Palestina é muito posterior ao povo que habita a região ha milhares de anos.

A bandeira acima é de 1939, antes da criação do Estado Judeu em 1948.

Depois os árabes adotaram o nome Palestina. Mas não existe um povo palestino, o que existe são habitantes não judeus descendentes de diversos países, que após conflitos contra Israel resolveram se chamar palestinos. A ideia de povo palestino, então, existe apenas em contradição ao Estado de Israel e não como povo culturalmente da região.

É o que explica, em um excelente texto Robert Spencer, mostrando um enciclopédia francesa de 1939 que contava a bandeira acima.

Hoje vemos no novo ataque contra judeus dentro de uma sinagoga, que acabou mantando americanos e um britânico, feito pela Frente pela Libertação da Palestina. Terroristas usaram facas e machados para matar. Terrível.

O conflito Israel-Palestina não é simples. Mas não é muito difícil saber qual lado tem uma ideologia que defende a vida e qual tem uma ideologia de morte, apesar da condenação ao ataque feita pela Autoridade Palestina, que só manda em parte da chamada Palestina e foi expulsa da Faixa de Gaza por outros "palestinos".

Os "palestinos" até comemoram a matança de civis judeus nas ruas da Faixa de Gaza. Como pode? Bom, vejamos o que diz a ideologia destes "palestinos".


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Livro: A Guerra do Islã contra o Cristianismo. E o Silêncio do Papa.


Michael Coren autor de um livro best seller chamado Why Catholics are Right (Por que Católicos estão Certos), acaba de lançar outro livro chamado Hatred: Islam´s War on Christianity (que poderia ser traduzido como Ódio: A Guerra do Islã contra o Cristianismo). Parece-me muito bom, dentro da linha de livros que eu já recomendei aqui, como o sensacional Crucificed Again, de Raymond Ibrahim.

O especialista em Islã, também católico, Robert Spencer, comentou o livro de Coren no site Truth Revolt, tecendo considerações sobre a atuação do Papa Francisco.

Vou traduzir aqui parte do que disse Spencer sobre o livro, em azul.

Na semana passada, Kirill, Patriarca de Moscou, escreveu uma carta a Himari Hussain, o presidente do Paquistão, pedindo que ele perdoasse Asia Bibi, uma mulher cristã que foi condenada à morte sob a acusação de blasfêmia contra o Islã.

"Seria uma perda irreparável para a sua família, e seus parentes e amigoso" se ela morresse, Kirill escreveu, e iria "causar um grande dano para o diálogo islâmico-cristão e também pode agravar a tensão entre cristãos e muçulmanos, tanto em Paquistão e em todo o mundo ".

A amarga ironia é que a quimera de diálogo islâmico-cristão é o que tem mantido todos os demais líderes cristãos no Ocidente de falar contra a crescente horror da perseguição muçulmana aos cristãos em todo o mundo. Em seu breve mas completo novo livro, Hatred: Islam's War on Christianity, Michael Coren expõe toda a história horrível e terrível: como leis estabelecendo status de segunda classe para os cristãos e um nível contínuo, legalmente sancionado de assédio e perseguição islâmica; como os muçulmanos que perseguem os cristãos de hoje estão seguindo escrupulosamente essas diretrizes, que são considerados ser a lei do próprio Deus; e como os cristãos de hoje estão sofrendo níveis de perseguição não vistos desde os dias em que o cristianismo era uma seita desprezada e proibida no Império Romano - e em alguns casos, os muçulmanos contemporâneos fazem os antigos romanos parecer multiculturalistas tolerantes.

Síria, Iraque, Egito, Paquistão, Irã, Indonésia, África e em outros lugares - praticamente todos os lugares que os cristãos vivem entre muçulmanos hoje, Coren mostra que eles estão sendo perseguindo. Na Síria e no Iraque, Coren detalha como esta perseguição chegou a tal nível que as comunidades cristãs que viveram naqueles países desde o tempo de Cristo foram totalmente dizimadas e provavelmente nunca mais vão voltar .

Indiscutivelmente tão horrível como as contas desta perseguição, no entanto, é a informação que Coren inclui sobre como os líderes cristãos no Ocidente têm reagido a essa perseguição. Enquanto os líderes cristãos estendem a mão amiga e chamam para o diálogo com os muçulmanos, Coren escreve, "simplesmente não há reciprocidade genuína. Os líderes muçulmanos que são corajosos o suficiente para chamar para o diálogo e compromisso semelhante tendem a falar para as comunidades islâmicas pequenas e geralmente marginais, e eles são geralmente ignorados ou mesmo condenado pela maior parte do mundo muçulmano...não há nenhum compromisso por parte do Islã para reformular sua relação com o cristianismo. "

No entanto, apesar de tão óbvio como isso é, todos os demais líderes cristãos se apegam à falsa esperança de "diálogo", a tal ponto que eles hesitam mesmo de dizer qualquer coisa em defesa de seus irmãos perseguidos. Patriarca Kirill é uma das poucas excepções a esta, e é singular entre os principais líderes cristãos em tomando conhecimento da situação de Asia Bibi. Em janeiro passado, Asia Bibi apelou ao Papa Francisco. Segundo o máximo do que eu tenho conhecimento, ela não obteve resposta dele.

Este é, naturalmente, o mesmo Papa Francisco, que escreveu que " a leitura adequada do autêntico Islã se opõe a todas as formas de violência" - uma declaração que Coren caracteriza como "otimista ao ponto do absurdo ou mesmo irresponsabilidade.

No entanto, o que é bom de todo esse "diálogo" se ele não faz nada para acabar com a perseguição dos cristãos que Coren descreve tão dolorosamente em ódio?

E em nossos dias, como Michael Coren mostra em ódio, novos santos e mártires estão sendo feitos todos os dias. Que o livro de Coren seja um catalisador para trazer-lhes o reconhecimento que merecem.

---
Eu diria o seguinte sobre o Papa Francisco e os terroristas islâmicos.

O Papa Francisco tem falado de vez em quando sobre a perseguição aos cristãos no Oriente Médio, mas ao meu ver suas palavras são como aquelas que saem da boca da ONU: "precisamos que a comunidade internacional faça alguma coisa, blá, blá, blá...".

E ele nunca pediu intervenção armada, chegou apenas a dizer que era preciso "parar" os terroristas. Mas, em seguida, alertou que não estava defendendo a guerra. Como seria então esse "parar"? Ele não revelou.

O que ele acha das bombas lançadas pelos Estados Unidos sobre o Estado Islâmico, grupo terrorista que continua decapitando gente na Síria e no Iraque? Se os aliados derrotarem o Estado islâmico, ele vai elogiar a ação armada?

Ai, minha paciência..

Compremos os livros de Coren, parecem muito bons.

(Agradeço a indicação do livro de Coren ao site Jihad Watch)

domingo, 16 de novembro de 2014

Vídeo mais Bonito que vi na minha Vida.


E tem um sentido muito pessoal.

A esposa de Chris Picco faleceu e os médicos tentaram salvar a criança em seu ventre, que estava na 24a semana. A criança recebeu um nome: Lennon James Picco e foi para incubadora.

Durante este período, Chris acompanhava de perto seu fragilíssimo filho e percebeu que Lennon se mexia quando ouvia música. Então ele pediu autorização para cantar para Lennon.

E ele cantou uma música que eu adoro. Durante um momento bem difícil da minha vida, esta música me estimulava a continuar, coloquei parte da letra da música em minha tese de doutorado.

A música se chama Blackbird, de autoria de Paul McCartney e John Lennon.

Lennon James Picco não sobreviveu, infelizmente, mas Chris, seu pai, mostrou que qualquer vida tem um imenso valor. Chris declarou: 

I am so thankful for the four unforgettable days I got to spend with him.

Vejam Chris cantando Blackbird para Lennon James Picco.





Muito obrigado, Chris Picco.

Rezemos por Chris. Que Deus tenha Ashley e Lennon Picco.

Viva a Vida!

sábado, 15 de novembro de 2014

Vídeo: 100 Anos do Natal da Primeira Guerra Mundial.


Durante o Natal de 1914, no front de guerra entre ingleses em alemães, eles pararam o conflito ao som de Noite Feliz, e se cumprimentaram, trocaram presentes e até jogaram futebol. Esta história belíssima foi contada pelo History Channel.

Eu tenho verdadeira devoção pela música Noite Feliz, já contei a história desta música aqui no blog, que tem letra de um padre austríaco e tem até museu dedicado a ela.

No Natal deste ano celebra-se 100 anos da trégua mais bonita da história da humanidade. Trégua que já foi motivo de filme, chamado Feliz Natal (Joyeux Noel).

Aproveitando a comemoração dos 100 anos da trégua, uma belíssima propaganda da rede supermercados britânica Saisnbury's foi feita para o Natal. Apesar de eu achar a descrição do History Channel, por contar com relatos de testemunhas daquele momento, bem mais sensacional.

Eu não consegui baixar para o blog o vídeo do History Channel, vejam lá no site do canal, clicando no vídeo The Christmas Truce. Abaixo, a bela propaganda da Sainsbury's.





Que todos meus queridos amigos do blog tenham uma Stille Nacht neste natal.


(Agradeço a indicação dos vídeos ao site The Crescat)

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Eugenia: Churchill, Roosevelt e até Helen Keller apoiavam. Mas Nossa Senhora de Lourdes explicou.


É impressionante, mas é corriqueiro, ver líderes da elite política e intelectual, defender a cultura da morte: aborto, eutanásia, casamento gay e eugenia. Líderes políticos e intelectuais (incluindo artistas famosos) muitas vezes acham que têm respostas para o mundo, que podem resolver os problemas dos pobres, que os pobres, leigos e pouco alfabetizados são estúpidos que precisam ser conduzidos por eles.

Assim, a lista que Matthew Archbold sobre personalidades renomadas que apoiavam a eugenia, método que estimula a morte de que é considerado incapaz, não me assustou, até o ponto em que incluiu Helen Keller, que ficou cega e surda quando tinha apenas 19 meses de idade, mas conseguiu vencer na vida e ser a primeira surda e cega a se formar e ser líder na sua área. Apesar de Keller ser membro do Partido Socialista, ideologia que prega o ateísmo, era de se supor que ela defenderia a vida de todos. Ela certamente seria considerada incapaz quando era criança pelos eugenistas.

Archbold reporta 7 famosos que eram eugenistas, além de Hitler: Theodore Roosvelt, Winston Churchill, George Bernard Shaw, H.G.Wells, Alexandre Graham Bell, Francis Crick e Helen Keller.

Como Archbold diz, é muito deprimente vendo pessoas respeitadas defendendo a morte de quem eles consideravam incapazes.

Mas ao fim do texto, Archbold conta a história do "Pai da Câmara de Gás", um ateu francês vencedor do Prêmio Nobel de Medicina, chamado Alexis Carrel, que foi convertido pelos milagres de Nossa Senhora de Lourdes, que ele não soube explicar.

Antes de se convencer dos milagres em Lourdes, Carrel promoveu a eugenia na França, colaborou com os nazistas, foi membro honorário da academia de ciências da União Soviética. 

Vejamos o que diz Archbold, traduzo em azul.

Alexis Carrel era ateu confesso que recebeu o Prêmio Nobel em 1912 e apareceu na capa da revista Time com Charles Lindbergh (também um defensor da eugenia.) Esse cara era tão popular na França que as ruas foram nomeadas em sua homenagem. Ele também foi um dos principais eugenistas da época.

Em 1935, Carrel publicou um livro que argumentou que os seres humanos "desviantes" devem ser suprimidos para aumentar a "aristocracia hereditária". (Eu sempre me pergunto se eles são tão superiores, por que eles precisam de tanto para aumentar de tamanho.)

Carrel era tão extremista que ele tem sido chamado de "Pai da câmara de gás."

"A criação da eutanásia, equipado com um gás apropriado, permitiria a eliminação humanitária e econômica daqueles que matariam, assaltariam à mão armada cometidos, raptariam crianças, roubariam a confiança da população pobre", Carrel escreveu em seu livro Man, este Desconhecido.

Carrel tinha um segredo, no entanto. Ele havia testemunhado um milagre em Lourdes que ocorreu em 28 de maio de 1902, quando ele conheceu Marie Bailly, uma jovem morrendo de tuberculose em seu caminho para Lourdes. Ela estava tão perto de morrer que os médicos se recusaram a operá-la. Em 25 de maio de 1902, ela entrou escondida em um trem que transportava pessoas doentes a Lourdes. Ela entrou escondida porque esses trens eram proibidos de transportar pessoas morrendo por medo de contágio.

Às duas horas da manhã seguinte, ficou claro que ela estava morrendo. Carrel foi chamado. Ele deu-lhe morfina e ficou com ela, e diagnosticou com um caso fatal de peritonite tuberculosa. Em 27 de maio, ela insistiu em ser levado para a gruta, embora os médicos temiam que ela morreria no caminho até lá. Ao chegar na gruta de Lourdes, um pouco de água da gruta foi derramada em seu abdômen doente.

Por incrível que pareça, Carrel observou como seu abdômen distendido enorme e muito duro começou a nivelar e suavizar. À noite, ela sentou-se em sua cama e jantou. Na manhã seguinte, ela se levantou sozinha e já estava vestida quando Carrel a viu de novo. Ela estava curada. Carrel perguntou o que ela faria com sua vida agora. Ela lhe disse que iria se juntar as Irmãs da Caridade e passar sua vida cuidando dos doentes. E assim ela fez.

A parte anti-religião de Carrel se recusou a aceitar a possibilidade de um milagre por anos. Ele era um teórico da eugenia sem uso para Deus. Por muitos anos, Carrel tentou explicar a cura de Marie a "forças psíquicas" e outras explicações esfarrapadas. Mas Carrel não poderia abalar o que viu e voltou a Lourdes novo e de novo por causa de sua incapacidade de explicar plenamente o que ele tinha visto. Em sua terceira viagem a Lourdes, em 1910, Carrel viu uma criança de 18 meses de idade recuperar sua capacidade de ver.

Chegando ao fim de sua vida, Carrel finalmente aceitou o que tinha visto e recebeu os sacramentos da Igreja e morreu reconciliado com Deus. Estranhamente, o mundo da ciência parou de o saudar como um gênio do seu tempo.

---

Hoje em dia, milhões de casais pelo mundo praticam eugenia, especialmente depois de fazer ultrassom e ver que o filho vai nascer com alguma anomalia. Não é mais necessário que a elite defenda a eugenia, a cultura da morte está muito mais presente. Abandonamos Deus, mesmo depois do fim do comunismo.

A luta contra a eugenia agora é dentro de nossas famílias e não contra líderes e intelectuais estúpidos.

Leiam todo o texto de Archbold.


(Agradeço a indicação do texto ao site Creative Minority Report)

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Documentário An Open Secret: A Pedofilia (Gay) em Hollywood.


A produtora de filmes Amy Berg realizou anteriormente um documentário sobre o abuso sexual de crianças feito pelo padre católico Oliver Grady no filme Deliver Us from Evil. Agora, ela apresenta um novo documentário, dessa vez sobre os pedófilos que fazem parte da indústria de entretenimento de Hollywood. O documentário se chama An Open Secret.

Como ocorreu com padres e pastores pedófilos, a grande maioria dos casos relatados no documentário foram praticados em meninos. Isto é, são pedófilos gays. No relato que faz do documentário, o site Hollywood Reporter não fala de nenhum caso em que as vítimas foram meninas. O homossexualismo tem uma estreita relação com a pedofilia. Isto é fato.

Eu já relatei aqui no blog o que foi revelado sobre:

1) Os casos de pedofilia feito por padres católicos nos Estados Unidos (em 82% dos casos as vítimas eram meninos);

2) Os casos de pedofilia de pastores da Igreja Anglicana

3) Os casos de Hollywood (falei duas vezes sobre isso: aqui e aqui);

4) Sobre um livro que mostra que os casos da Igreja Católica não é refletem o pior caso de pedofilia no mundo, muitas outras instituições têm casos piores.

5) Também falei do caso de Woody Allen, acusado de pedofilia pela própria filha.

É bom saber que agora teremos um documentário apenas para contar os inúmeros casos de Hollywood.

O documentário An Open Secret vai estrear este mês nos Estados Unidos. Ontem, o jornal Daily Mail falou sobre o documentário.

A foto acima é de um condenado de pedofilia que trabalhava em Hollywood, Marty Weiss.

O pior dos casos relatados por Amy Berg é que muitos acusados de pedofilia continuam trabalhando normalmente em Hollywood.

Finalmente, tem gente que acha que acabar o celibato iria diminuir os casos de pedofilia, como Reinaldo Azevedo. Como? Se a grande maioria dos casos acontecem dentro de lares? Como? Se a grande maioria dos casos é feita por gays?

Rezemos por todas as vítimas de pedofilia, meninos e meninas. É um trauma enorme.


(Agradeço a indicação do texto do Hollywood Reporter ao site The Drudge Report)

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Mais um Livro que diz que Jesus foi Casado. Jimmy Akin responde.


Tem sido rotina todo ano. Alguém querendo ganhar dinheiro com repercussão sobre Jesus Cristo e se possível se tornar o novo Dan Brown usa textos antigos totalmente desacreditados pela ciência arqueológica e pela Igreja para basear argumentos errados sobre Jesus.

Dessa vez é o livro The Lost Gospel, de Simcha Jacobovici e Barrie Wilson, que promete mostrar que Jesus se casou com Maria Madalena.

Os cristãos têm duas saídas: ou se fingem de mortos e não prestam atenção aos livros ou enfrentam as suposições dos autores. A melhor alternativa é entender o que eles dizem e rebater. 

Assim faz o teólogo Jimmy Akin. Vou traduzir aqui o que ele diz sobre o livro, em azul.

Está chegando o Natal, e você sabe o que isso significa. Certo! É hora de um outro livro a ser lançado nos dizer a "verdade" sensacionalista sobre o cristianismo.

Desta vez temos The Lost Gospel de Simcha Jacobovici e Barrie Wilson.

Você pode se lembrar de Jacobovici, ele esteve envolvido em falcatruas bíblico-arqueológicas anteriores, como as desacreditadas alegações do "túmulo da família de Jesus" de alguns anos atrás, em que Jacobovici  também afirmou que Jesus foi casado com Maria Madalena.


Então o que ele e o co-autor Barrie Wilson têm para mostrar agora no The Lost Gospel?

Zecharias Quem?

O texto-chave utilizado no novo livro é preservado em um conjunto de escritos atribuídos a Zacarias Rhetor (isto é, Zacarias da Rhetoritician), também conhecido como Zacarias Escolástico (isto é, Zacarias da Escola), também conhecido como Zacarias de Mitilene.

Ele era natural de Gaza, que viveu entre os anos finais de 400 AD final e início de 500s e que se tornou o bispo de Mitilene.

Ele escreveu uma série de obras em grego, incluindo um trabalho sobre a história da Igreja que mais tarde foi traduzido para o siríaco (um dialeto do aramaico), com várias mudanças editoriais.

É este texto siríaco, que está no Museu Britânic desde 1847, que Jacobovici e Wilson estão usando em seu novo livro.


O que eles estão reivindicando

Entre outras coisas, Jacobovici e Wilson afirmam ter descoberto um evangelho perdido que está escrito em código e, quando devidamente decodificado afirma que Jesus era casado, provavelmente com Maria Madalena, e que tinha dois filhos.

Nada disso é verdade.


Não é perdido.

Primeiro, o texto em questão não é "perdido". Não é um recém-descoberto trabalho que os estudiosos desconheciam.

O manuscrito em particular que Jacobovici e Wilson dependem foi levado para o Museu Britânico por mais de um século e meio atrás, e o mesmo texto foi conhecido através de outras fontes ao longo dos séculos.

A comunidade acadêmica tem sido bem ciente disso, e traduções em Inglês e outros idiomas são comuns.

Para lhe dar uma idéia de como não perdido este trabalho é, tem sido impresso por séculos, eu tenho em minha própria biblioteca, e aqui está uma versão que você pode ler on-line a partir de um livro impresso em 1918.


Não é um Evangelho.

O trabalho também não é um Evangelho. Embora alguns estudiosos usem o termo "evangelho" de maneiras surpreendentes e enganosas, um Evangelho (no sentido literário) é um livro sobre a vida e / ou os ensinamentos de Jesus.

Não é isso que este texto é. Este texto não é sobre Jesus. A história que ele conta não é sequer ambientada no primeiro século, quando Jesus viveu.

É ambientada mais de mil anos antes da época de Cristo.

Não é um Código sobre Jesus.

O trabalho também não é uma versão codificada da história de Jesus. Ao contrário, é uma obra de ficção histórica sobre duas figuras que já conhecemos do Antigo Testamento: José e Asenete.


Quem eram José e Asenete?

José era um dos filhos de Jacó. Ele irritou seus irmãos que o venderam como escravo.

Por fim, ele acabou no Egito, onde ele ganhou destaque e se casou com uma mulher egípcia chamada Asenete, que era filha de um sacerdote egípcio.

Ela e Joseph mais tarde tiveram dois filhos, Efraim e Manassés, que se tornaram os patriarcas de duas das tribos de Israel.

Você pode ler o relato bíblico de José em Gênesis 37-50, e lemos a respeito de seu casamento com Asenetee em Gênesis 41:45, 50 e 46:20.


Por que essas duas figuras discutidas nos escritos de Zacarias chama?

Se você entrar em uma livraria cristã de hoje, seja ele protestante ou católica, você provávelmente encontrar romances das vidas de vários personagens bíblicos e históricos.

Estes podem ser ficções sobre a vida dos santos do Antigo Testamento, como Abraão e Moisés, santos do Novo Testamento, como Pedro ou Paulo, ou santos de mais tarde na história da Igreja, como Agostinho ou Francisco de Assis.

Saem do mesmo impulso, o desejo de conhecer e imaginar mais sobre o que a vida de famosas figuras religiosas, no mundo antigo, e é isso que o trabalho antigo conhecido como José e Asenete é. É um relato ficcional da vida do patriarca do Antigo Testamento José e sua esposa, Asenete.


O que acontece na história?

Um monte de coisas, mas basicamente se divide em duas partes. A primeira parte é dedicada à conversão de Asente à fé hebraica.

Como a filha de um sacerdote egípcio, ela foi criada politeísta e idólatra, e em idades posteriores, homens judeus foram proibidos de se casarem com mulheres estrangeiras por causa de sua idolatria e pois elas iriam seduzir seus maridos para adorar outros deuses.

Isso levantou uma questão: Como poderia o patriarca José ter se casado com uma mulher estrangeira egípcia!

A primeira parte do romance responde a isto dizendo que Asenete se arrependeu de sua idolatria e abraçou o culto do verdadeiro Deus, tornando-se uma noiva adequada para Joseph.

A segunda parte do romance conta uma aventura em que o filho do Faraó tenta obter Asenete para si, mas ela ora a Deus, que intervém para salvar a situação. Faraó e seu filho ímpio morrem, e José torna-se o regente do Egito até que um outro filho do Faraó tem idade suficiente para reinar.


Portanto, esta não é uma história codificada sobre Jesus?

Não. É um romance histórico sobre duas figuras familiares do Antigo Testamento.

Ele aborda questões que uma audiência judaica antiga teria, como a forma como a filha de um sacerdote pagão poderia se casar com um patriarca bíblico.

Sua menção de José e seus dois filhos-Efraim e Manassés- não é para nos falar sobre filhos de Jesus e Maria Madalena. Eles são mencionados porque eles eram os patriarcas de duas das tribos posteriores (ou "meia-tribos") que todos no antigo Israel conheciam.

E que contém um conto emocionante de como Deus responde às orações e vai proteger aqueles que se voltam para Ele contra as maquinações de outros, assim como várias contos do Antigo Testamento.


Há perguntas sem resposta sobre o trabalho?

Claro. Como há em qualquer literatura antiga, não temos certeza de quem o escreveu ou quando. Existe ainda debate sobre se a obra José e Asenete eram de judeu ou de um cristão, ou possivelmente uma obra judaica com edições cristãs.

Há também algumas coisas estranhas, como algo envolvendo abelhas e um favo de mel-que alguns têm sugerido que é para ensinar alguma lição espiritual, embora seja difícil de descobrir.

No entanto, a ideia de que José e Asenete seja uma história de vida codificados de Jesus não tem nenhum fundamento.

Há razões para acreditar que Jesus NÃO era casado?

Sim. Entre outras coisas que poderiam ser ditas, Jesus aponta para o celibato como um ideal espiritual, dizendo que este dom não é dado a todos, mas deve ser aceito por aqueles a quem é dado (Mt 19: 11-12.). Uma vez que Jesus foi considerado o modelo de espiritualidade para os cristãos, seria estranho para ele propor este ideal espiritual, se ele próprio não atende.

Além disso, Jesus descreve a si mesmo como um noivo (Mt 09:15, 25: 1-10., Cf. João 3: 27-30), mas o casamento que ele tem é místico, não um literal, o Novo Testamento retrata a noiva de Cristo como sua Igreja, não como uma mulher individual (2 Cor. 11: 2; Ef. 5: 22-33, Apocalipse 19: 7, 21: 2, 9).


É difícil ver como esta compreensão da Igreja como a noiva de Cristo poderia ter surgido se houvesse um esposa literal "Sra. Jesus. "



Em virtude de seu casamento com Jesus, ela teria de instantaneamente tornar-se uma figura proeminente no início do cristianismo, e seu status como a noiva literal de Cristo teria impedido a compreensão da Igreja como a noiva mística de Cristo.

---

Jimmy Akin, como sempre, nos poupa de ler um livro vil sobre Cristo. No final, ele indica mais leituras sobre o assunto.

Espero ajudar aos cristãos brasileiros com a tradução do que ele disse.



terça-feira, 11 de novembro de 2014

Bispos do Quênia acusam ONU de Programa de Infertilização Disfarçado em Vacina para Tétano.


A ONU é conhecida por estimular o aborto e a agenda gay, isto faz parte da cultura da morte que tanto nos falou João Paulo II, e agora os bispos do Quênia acusam a Organização Mundial da Saúde e a UNICEF, que deveria se preocupar para que as crianças vivam e não em matar crianças, de fazer esterilização disfarçada em mulheres.

Vejamos o que disse Matthew Archbold do jornal National Catholic Register, traduzo em azul:

Os bispos católicos do Quênia estão questionando publicamente se a Organização Mundial de Saúde e a UNICEF estão usando uma vacinação contra o tétano como uma cobertura para um programa chocante de controle populacional involuntário e disfarçado.

Em uma carta pública, os bispos levantaram questões sobre se a vacina contra o tétano foi atado com hormônio Beta-HCG que provoca infertilidade e abortos múltiplos em mulheres. Depois de levantar as suas preocupações sobre um possível programa de controle populacional nefasto com funcionários do governo, nada foi feito. Assim, os bispos "lutaram e adquiriram vários frascos da vacina", que foram, então, enviados para vários laboratórios.

Terrivelmente, os bispos descobriram que "todos os testes mostraram que a vacina utilizada no Quênia em março e outubro 2014 foi de fato contaminada com o hormônio Beta-HCG."

Os bispos disseram que estavam "chocados com o nível de desonestidade e maneira casual em que uma questão tão séria está sendo tratado pelo Governo", cujo Ministério da Saúde já havia declarado que tinham testado a vacina e que estava limpa do hormônio Beta-HCG . Os bispos chamaram "uma tentativa deliberada de distorcer a verdade e enganar 42 milhões de quenianos." Assim, ou os bispos estão mentindo ou foram seriamente enganados por vários laboratórios, ou o governo está encobrindo um maciço programa de esterilização.

Este é realmente um escândalo e deveria alarmar a todos. Estas organizações internacionais parecem estar operando um programa de controle de esterilização involuntária e destruindo os direitos das mulheres como seres humanos. Infelizmente, eu não vi nenhum clamor sobre isso a partir dos típicos "direitos reprodutivos" destas organizações. Espero que essas alegações inspirem uma investigação internacional.

--
Eu tendo a achar que os bispos estão corretos. Acho que a ONU é sim capaz do que eles acusam. Quem quiser acompanhar a agenda de cultura da morte da ONU basta seguir o que faz o C-FAM, uma organização que combate esta cultura da morte dentro da ONU.

Será que algum país do mundo vai pedir investigação? Será que o Vaticano vai pedir investigação?

Duvido. Infelizmente.


(Agradeço a indicação do texto ao blog Creative Minority Report)

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Três Vídeos: Por que Filosofia e Teologia são Importantes para Todas as Ciências?



O blog do grande filósofo Edward Feser divulgou um seminário sobre Teologia e Filosofia, chamado God, Reason and Reality feito pela Dominican School of Philosophy & Theology. Feser indica três vídeos de participantes do seminário, que contou com renomados filósofos.

Vejam os três vídeos abaixo, traduzo o argumento central de cada filósofo. Os vídeos podem continuar e mostrar todos os três vídeos em sequencia, mas eu traduzo os argumentos, mostrando um vídeo por vez, pois foi assim que comecei o processo de tradução.

O primeiro é com o filósofo John Searle que responde à pergunta de por que a filosofia é importante.

Ele diz que a importância das coisas depende de cada pessoa, mas que para ele filosofia é facilmente o assunto mais importante, porque todo o resto faz sentido apenas com as implicações filosóficas deles. Filosofia não é apenas o assunto mais importante, mas em um certo sentido é o único assunto que existe .





No segundo vídeo, abaixo os filósofos John O' Callaghan e Edward Feser respondem a importância da teologia para a filosofia.

O'Callaghan argumenta que a teologia se inicio com uma análise das revelações (livros sagrados), mas os livros sagrados são feitos por homens e retratam o conhecimento que eles possuem sobre o mundo, assim a teologia analisa este conhecimento junto com a abordagem sobre o divino, a filosofia estuda este conhecimento que homens dizem ter sobre o mundo. Assim, as duas ciências têm uma relação muito íntima. A teologia não ocorre em um vácuo, sem filosofia.

Feser diz que atualmente se diz que as ciências empíricas (física, biologia, química) não apenas são as grandes ciências mas são os únicos conhecimentos. Assim, muitos dizem que teologia não seria ciência. Uma das funções da filosofia é mostrar as bases racionais que formam a teologia. Uma das maneiras de fazer isso é mostrar que as ciências empíricas também são baseadas em suposições metafísicas, como o princípio de causalidade, a distinção de potencialidade e atualidade, usados por Aristóteles e São Tomás de Aquino, além do princípio de razão suficiente, e outras bases metafísicas. Estas bases racionais são usadas na teologia e na filosofia, para provar por exemplo a existência de Deus ou para mostrar a imortalidade da alma.




No último vídeo, Linda Zagzebski responde se teólogos católicos precisam de filosofia. Ela diz que esta questão não seria nem perguntada séculos atrás, hoje se pergunta isso por causa de acidentes históricos que fizeram a separação entre filosofia e teologia, que fizeram ascender o ateísmo, dentro do mundo intelectual. Filosofia e teologia fazem as mesmas perguntas e tentam responder estas perguntas.







domingo, 9 de novembro de 2014

Entrevista com Cardeal Burke, Conservador Defenestrado pelo Papa Francisco.


O grande assunto deste final de semana na Igreja marcará o pontificado do Papa Francisco: ele colocou o cardeal Raymond Burke, um cardeal ainda na início da carreira, bem novo em comparação com os colegas, que defende a Doutrina e a Tradição da Igreja com todo amor, em um cargo honorífico geralmente dedicado a cardeais em fim de carreira. O Papa Francisco tirou Burke da Signatura Apostólica, um cargo equivalente a advogado geral da Igreja, e o nomeou para o cargo de Patrão da Ordem Militar de Malta, que não tem funções.

O assunto está em inúmeros sites do mundo.

Cardeal Burke é amado virtualmente por todos os católicos conservadores do mundo. Esta ação de guerra contra os conservadores do Papa Francisco terá consequências.

Em um blog americano conhecido, eu sugeri que os conservadores façam peregrinação à ordem de Malta para ouvir o cardeal Burke.

Os esquerdistas detestam Burke e alguns "moderados" dizem que ele se colocou na linha de frente de ataques a como o Papa Francisco está dirigindo a Igreja.

Bom, todos que acompanham a Igreja sabem da confusão que se formou na Igreja desde a chegada do Papa argentino. Eu mesmo coloquei que logo na primeira entrevista do Papa, que foi dada no Brasil para o Fantástico, ele disse coisas terríveis. Ele disse por exemplo que não se importava se a criança era educada em um colégio católico ou não, reduzindo o valor do ensino católico. Depois, muitas entrevistas e falas do Papa Francisco foram fonte de divisão e escândalo.

Recentemente, Burke disse que a Igreja está andando sem leme, tamanha a confusão que ele observa. Muitos acusaram Burke de atacar o Papa.

Ontem, eu li uma entrevista de Burke que ele responde a este questionamento. Burke fala também sobre o que ele pensa do sínodo da família, sobre o que significa o amor do cantor homossexual Elton John ao Papa Francisco e sobre como Burke ajudou a conversão de um homossexual.

Aqui vai parte da entrevista de Burke (não vou traduzir para não prejudicar as palavras originais). Leiam toda a entrevista no site Aleteia.

Cardinal Burke was in Vienna, Austria this week for the launch of the German translation of a new book  to which he contributed, Remaining in the Truth of Christ. The book is the collaborative work of five cardinals from Germany, Italy, and the United States. It is a response to Cardinal Walter Kasper's address at the Extraordinary Consistory in February of this year, in which he proposed allowing some "remarried" divorcees to have access to Holy Communion.

Tuesday’s launch at the parish house of Vienna’s Karlskirche brought together representatives from the Cistercian Abbey of Heiligenkreuz, the German speaking academic world, and 
Una VoceAustria. 

Aleteia’s Rome correspondent and another reporter sat down with Cardinal Burke to discuss new accusations that he’s been critical of Pope Francis, Elton John’s praise of the Pope, and how he sees the Synodal process over the coming year.


Your Eminence, you said in your recent interview with Vida Nueva that you have a strong sense the Church is like a ship “without a helm.” Some observers are seeing statements like this as an insult against the Pope. Would you like to correct this?

Yes, I would love to. The fact of the matter is the interviewer simply asked me the question: there are many people who are confused at this point, and I think he used the image, or I did, that people on the ship of the Church, because of this confusion, are feeling some sea sickness. Many people are anxious and concerned and many people have been in contact with me. They say, “Where are we going? What is the Church really teaching?” And my response to them has always been that we know the Church’s teaching, it’s in the Catechism, it’s in the Tradition, and we simply have to cling to that, and with that we know we’re going to do the right thing.

I wasn’t in any way commenting directly on the Holy Father, and it’s unfortunate that people are using that. But certain media simply want to keep portraying me as living my life as an opponent to Pope Francis, which I’m not at all. I’ve been serving him in the Apostolic Signatura and in other ways I continue to serve him. And I know that part of my service is to speak the truth about situations, and we simply are in a situation right now in the Church where many people are confused. 


In the Pope’s speech at the end of the Synod he spoke about defending the deposit of faith. Is that what you'd like to stress?

That’s all that I’m about. And I made it very clear in my response to [the interviewer] that I did not say that this was what the Holy Father is causing or doing but simply a reality today. 

And you also said in that interview that we cannot go to the peripheries empty-handed. Do you want to explain that more?

Many people, I believe, are misinterpreting the Holy Father’s emphasis on going to the peripheries as a kind of chasing after the culture. In other words, that somehow we no longer have confidence in the teaching of the Faith and in the life of the Church, and so we go after those very deficient situations in society as if we have nothing to offer, and nothing to say.

The point I was making is that, yes, we go out to the peripheries, but we go there with Jesus Christ and all the richness of his life with us in the Church. That’s how we really serve those who are on the peripheries, those who are looking for some sign of God’s mercy in their lives, God’s truth. So it’s very important when we go out to the periphery that we go there with the integrity of our Catholic faith.

I also made it clear in the interview that I wasn’t saying that the Holy Father’s idea is this, but I’ve seen other people using his words to justify a kind of accommodation of the faith to culture which can never be.


Elton John last week called Pope Francis a great hero for gay rights. Some welcome this and rejoice that someone who wouldn't normally look at the Church is now engaged with it in some way. Others say: yes, people like Elton John see an open door, but it's opening a door that affirms them in a sinful lifestyle. How can the Church best now navigate this situation she finds herself in so that there is truth and charity?

Only by the diligent effort to explain very carefully the Church’s teaching with regard to homosexual acts, and to make the proper distinctions between the sinner and the sin. This was one of the difficulties of the Synod, that this was all confused where it was at least implied that there could be good elements in mortally sinful acts. We all know that’s not possible. There cannot be any good in this. And so if the Pope is being praised for caring deeply about people suffering from same sex attraction — and in society today this is at least made very conscious through the whole gay rights movement  the Pope’s concern for them is that they understand that, even though they have this attraction, it is an attraction to disordered acts and that they need to seek the healing and grace needed and to order their lives correctly and to deal with this suffering, and it’s a very profound suffering.

But the Pope’s position cannot be seen to be somehow the Church taking back what she cannot take back; namely, the teaching that these are contrary to nature. 


There was also an article last week about how you managed to bring a homosexual man back into the Church.

Yes, I remember the situation very well.

How did that happen?

He was very aggressive in the homosexual movement. Obviously he suffered very severely from the same-sex attraction. And he had tried in a way to be in the Church, and finally he became very angry. It may have even been caused by some teaching that I had given publicly with regard to homosexual acts and to the whole situation. And so one day he delivered to my office this box with what he called “the trappings of my Catholicism,” and he wrote a letter saying he was renouncing the Catholic faith and wanted to be rid of these. There was a crucifix, a rosary, a bible, the normal tools of the faith.

So I told my secretary to put them in the closet because I think the man will come to see the truth and then he would like to have those objects back. And so we put them on the shelf, and that’s exactly what happened. He experienced a conversion and he was helped. I didn’t help him directly with the conversion. He was helped by a good priest and by some very good laypeople who took him into their home because he had been so actively engaged in the homosexual movement that he was in a very deeply wounded condition. And then he made an appointment to come to see me, and on that occasion I certainly embraced him and told him how happy I was for him, and I told him: "I saved these things for you, and I think you would like them back." And he was delighted to have them back, and so I gave them back to him.

Sadly I’ve lost contact with him now, once I moved away from the United States, but I hope that he’s still doing well, because this is a suffering and there can be recidivism. But in any case, in that instance I saw the beauty of the Church’s teaching at work. It really was the best thing for him, and when he was able to come back to the practice of the faith and lead a chaste life he was truly happy. 


Was there any lessening of the Church’s teaching on your part?

No, no. I don’t bear bad feelings towards people with same-sex attraction. I try to help anyone who would come to me, but I’m always clear with them that the ultimate way has to be to cease any kind of activity and lead a chaste life, but that’s true for all of us. 

Returning to the topic of your recent interviews, as perhaps you saw, Religion News Service Friday identified you as the cardinal “who has emerged as the face of the opposition to Pope Francis’ reformist agenda”. How would you respond?

My purpose, my goal is to present the Church’s teaching around which there has been a great deal of confusion, also some of it caused by what happened at the Synod of Bishops. The Holy Father is the Successor of St. Peter and I don’t ever put myself in opposition to the Successor of St. Peter. But I think that people who wanted to identify the so-called “reformist agenda” of Pope Francis with all of their favorite ideas of what the Church should do or what the Church should become now try to discredit what I say by attributing it to some personal animosity toward the Holy Father, and that is not right. 

And do you think that there is a real risk of schism in this?

If in some way the Synod of Bishops was seen to go contrary to what is the constant teaching and practice of the Church, there is a risk because these are unchanging and unchangeable truths.

At the Synod, when the interim report came out, some said it was a disaster.

It was a total disaster.

Do you see this agenda continuing through the coming year? They aren’t going to change course?

No, because the General Secretary has identified himself very strongly with the Kasper thesis, and he is not hesitant to say so and has gone around also giving talks in various places. He’s less outspoken than Cardinal Kasper but nevertheless it’s clear that he subscribes to that school. So no, this is going to go on and that’s why it’s important that we continue to speak up and to act as we are able to address the situation.

At the Synod, there did not appear to be much talk about heaven, or the final end, or eternal life, or hell, or sin. The language surrounding the Synod seemed rather horizontal. Yet the Catholic understanding of marriage is understood in light of eternal life and the reality to which it points, i.e. the union between Christ and His Church and God’s faithful love for His people. How can we refocus our attention on these realities in the coming year?

In the book, Remaining in the Truth of Christ, which was published and to which I contributed, in the back of it is a compendium of the Magisterium on marriage. There you will find this kind of direction, this approach, that everything has to be seen and approached from the perspective of eternal life and eternal salvation, which comes to us in Jesus Christ alone and His grace by which we daily convert our lives to Christ and daily struggle to overcome sin. And so also in marriage. The beauty of the sacrament is enhanced by the struggle of the partners to be faithful and to be generous in every way.


Diane Montagna is Rome correspondent for Aleteia's English edition.