sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Uma "Meme" Tristíssima Que Diz Tudo Sobre a Europa


Como é tristíssimo, para mim, ver essa duas crianças na imagem!

A meme diz que uma delas promoveu a abertura das fronteiras para os imigrantes muçulmanos na Europa, enquanto a outra criança (morta ontem no ataque terrorista de Barcelona) será ignorada para que as fronteiras continuem abertas.

Na verdade, as duas terríveis mortes dessas crianças têm o mesmo problema: o desprezo cultural/religioso pela vida humana. Quem teve a ideia de atravessar o mar em um pequeno bote com uma criança tão pequena nos braços não tem respeito pela vida dela. Quem resolveu atirar um veículo propositalmente contra uma criança não tem respeito pela vida de ninguém.

As pessoas que exaltam uma cultura que despreza a criança não merecem ser recebidas por nenhum país!

Rezemos pelas crianças! Que Nossa Senhora as proteja dos estúpidos, que estão também entre os líderes políticos e religiosos da Europa!



(Agradeço a trisitíssima meme ao facebook de Mike Cernovich)

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

A Melhor Resposta para os Atentados Terroristas em Barcelona



Santiago Abascal, líder do Vox, partido político espanhol que busca fortalecer a Espanha na sua cultura católica, deu a melhor resposta aos atentados terroristas de hoje em Barcelona (ver na imagem acima).

Sim, pêsames e orações às vítimas e que se extirpe esses terroristas da sociedade imediatamente.

Mas o restante dos políticos e dos líderes da Igreja Católica colocam mais uma vez as mãos no ouvido para não ouvirem o som do sangue caindo nos bueiros europeus.

Não vão fazer nada, vão continuar exaltando o "multiculturalismo", a "diversidade", e a "imigração total".

O que se vai ver depois de hoje é apenas 1 minuto de silêncio no próximo jogo do Barcelona, o primeiro-ministro da Espanha desfilando de braços dados com outros líderes europeus na Las Ramblas, flores e ursinhos carinhosos no chão.

E pronto. Vão tomar uns drinks e conversar sobre como o Trump é maligno.



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Islândia Diabolicamente Acabou com Síndrome de Down - Abortou Todos. Sarah Palin Reage



Ontem, o jornal CBS trouxe uma reportagem dizendo que a Islândia acabou virtualmente com a presença de crianças com síndrome de down, abortando todos os bebês com essa síndrome. Isso é realmente diabólico. Que Nossa Senhor esmague a cabeça desse demônio!

Sarah Palin, mãe de uma linda criança com síndrome de Down, reagiu a isso. No vídeo acima, todo o amor por seu filho transborda. Ela bem conseguiu ler a reportagem da CBS, seu coração ficou totalmente destruído com essa reportagem.

Ela fala de quando recebeu a notícia de que seu filho tinha síndrome de Down e de como ela teve medo e como teve de alterar suas prioridades na vida, como qualquer mãe. A presença do filho dela só a vez ver a santidade de todas as vidas e como seu filho traz tanta alegria para ela e para o mundo.

Fantástica Sarah Palin.

Viva as crianças com síndrome de down. Viva! Viva! Vivam!

Que Nossa Senhora as proteja!


terça-feira, 15 de agosto de 2017

Trump Libera Médicos Cristãos Para Recusarem Fazer Cirurgia de Troca de Sexo


Tem uma personalidade da mídia social norte-americana chamada Mike Cernovich que costuma colocar uns vídeos bem legais da sociedade dos Estados Unidos. Hoje, um dos vídeos dele colocado no Facebook mostra esquerdistas tresloucados contra uma pessoa que segurava um cartaz que dizia: "Thank God for Trump" (Agradeça a Deus for Trump).

Um cartaz com a palavra Deus já desespera esquerdista, combinando Deus com Trump aí é pedir ara eles ficarem realmente tresloucados.

Vejam o vídeo de Cernovich clicando aqui.

Bom, devemos agradecer mais uma vez a Trump por mais uma medida em favor dos cristãos.

Obama, por meio do seu programa de saúde Obamacare, tinha obrigado os médicos a fazer cirurgias de troca de sexo ou terapias com hormônios para mudar sexo.

Trump liberou para que médicos cristãos se recusem a fazer tais cirurgias e tais terapias. Thank God for Trump. Será que o Papa Francisco vai agradecê-lo também?

Vejam reportagem abaixo sobre assunto publicado pelo Church Militant:

TRUMP ROLLS BACK TRANS RIGHTS IN OBAMACARE


New measure will protect Christian doctors' conscience rights to refuse sex change surgeries and abortions

WASHINGTON (ChurchMilitant.com) - The Trump administration is countering Obamacare regulations that had forced doctors to perform sex change services and forced insurers to cover those costs along with those associated with abortions.
The Department of Justice (DOJ), headed by Attorney General Jeff Sessions, is saying new regulations from the Department of Health and Human Services (HHS) will soon nullify a 2016 rule from the Obama administration that mandated doctors must provide sex change surgery and hormone therapy to those suffering from gender dysphoria. The previous ruling buried in Obamacare had further mandated insurers cover the costs of not only sex change services but also those of abortions as well.
Obama's so-called transgender health mandate was put on hold by a Texas judge last December after it was challenged by five states, including Texas, as well as the Franciscan Alliance, a group of Catholic hospitals. United States District Judge Reed O'Connor found the interpretation illegal, as it wrongly understood sex discrimination to include "discrimination on the basis of gender identity," which he said was rightly understood to mean "discrimination on the basis of the biological differences between males and females." The judge ruled that the former rule was also illegal "because it does not incorporate certain statutory exemptions concerning religion and abortion."
The White House declined in May to appeal the ruling by Judge Reed. This case is highly reminiscent of the Trump administration's decision in February not to appeal an injunction also issued by Judge Reed that stopped Obama's transgender bathroom mandate.
The action by the DOJ and HHS comes on the heels of Trump's announcement that he's banningtransgender individuals from serving in the military.
The DOJ said August 4 that it's in the process of reviewing an HHS regulation expected to grant conscience exemptions for doctors who would refuse to perform sex change procedures on so-called transgenders. The new regulation would also allow insurance companies to opt out of footing the bill for these practices they hold to be immoral. Left-leaning advocacy groups like the American Civil Liberties Union (ACLU) and Lambda Legal, a pro-LGBT group, are up in arms.


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Importante Acervo do Catolicismo Brasileiro Disponibilizado


Comemorando a 800ª edição, a Revista Catolicismo, fundada em 1951 pelo Dr. Plínio Correa de Oliveira, está disponibilizando todo o seu acervo.



Muito material fantástico para a pesquisa das lutas históricas do catolicismo no Brasil.



Explica o site da Revista:

"Cumprindo "Catolicismo", agora em 2017, 66 anos de existência, tem esta revista empenho em proporcionar acesso à fonte original onde está a documentação de várias décadas de jornalismo sério, idôneo e combativo.
Nele se encontrará o amplo acervo doutrinário e cultural deixado por Plinio Corrêa de Oliveira e pelo "grupo de Catolicismo", no qual militavam os futuros diretores e sócio-fundadores da TFP e, mais tarde, do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira.
As páginas de "Catolicismo" documentam passo a passo o desenvolvimento dessa imensa luta ideológica, que irradiou-se não apenas no Brasil, mas nas três Américas e na Europa, alcançando também outros continentes onde chegaram os ecos dessa atuação profundamente ultramontana e contra-revolucionária de Plinio Corrêa de Oliveira."

Qualquer um que pesquise o catolicismo no Brasil precisará desse acervo.

Acessem o acervo, clicando aqui.



sábado, 12 de agosto de 2017

Padre Franciscano: Islã é Pior que Nazismo. É Demoníaco.



Acima o monge Daniel Maljur explica por que Islã é pior que nazismo. O vídeo dele fez sucesso e o site da Pamella Geller traduziu o que ele disse e ainda explicou por que a Croácia historicamente odeia o Islã. Vejam o site para uma breve história das terríveis invasões turco-muçulmanas na Croácia.

Abaixo, vai o relato da explicação do Padre Daniel, da paráquia de São Nicolas.

No texto, monge Daniel argumenta que o Islã é uma religião da violência, terror para o mundo, que Alá se opõe ao Deus judeo-cristão, que o Islã se opõe ao senso comum, e que o Corão foi criado muito tempo depois da morte de Maomé. E que o Corão é inspirado pelo demônio. A violação dos direitos humanos está no coração da doutrina islâmica.

Padre Daniel diz que esteve em Tovernik, para ver os refugiados muçulmanos e que praticamente não havia nenhum velho, mulher ou criança, eram todos jovens, e que esses jovens mostram "as caras dos reis do futuro na Europa".

Rezemos pelo monge Daniel Maljur, que ele seja forte.


CROATIAN FRANCISCAN SHOCKS THE PUBLIC: ISLAM IS WORSE THAN NAZISM

The Vicar of St Nicholas Parish in Croatian city of Kostajnica, Franciscan monk Danijel Maljur, caused great sensation because in a short Youtube film named “Islam”  he explained why this religion of Islam is the greatest evil that mankind has ever suffered!
Maljur talks about Nazism, the Holocaust, Hitler, the atomic bomb in Japan, abortion. But, according to his interpretation, all this is nothing compared to Islam.
“Islam, who is entering our doorsteps through the back door, is without any doubt surpassing all the tragedies of mankind,” says Fr. Maljur, explaining further that the holy book of Islam, the Qur’an, as not an authentic work, and certainly not God’s revelation or the Word of God.
He also published his explanation on his public profile on Facebook [h[https://www.facebook.com/danijel.maljur]�He put in a link leading to the article which he calls ‘Islam in Statistics’ in which the author claims that Islam is a violent religion that destroys the world. This publication, Brother Maljur, accompanied with the text: “One of our bishops said yesterday that we all believe in the same God. Nope, not gonna happen … ‘.
On the same profile on September 18th, he stated that he was in Tovarnik in 2015 among the Muslim refugees. He claims that there are almost no old men, women and children among them, but there are so many prevailing young men in their prime of life averaging about 35 years of age.
“If you expect to see freedom-loving rebels [f[from Syria]you will have to pluck some journalistic footage because there is no such thing in reality. These are the faces of the kings or future rulers over us who have stormed into the European lands of their future slaves where they can lie in wait after having to suffer some temporary settlement hassles. Perhaps among them, there are also real refugees seeking only security in the first free country they can find, but I have not seen such a thing,” he continues.
The video that Danijel Maljur put on youtube is now marked as private and can not be opened, but on the Facebook page of the Defense of Faith  and the web portal www.obranavjere.com you can read about the religious convictions of this young Franciscan friar.
Islam without any doubt surpasses all the above-mentioned tragedies of humanity,” says Brother Daniel after he listed all the major tragedies that history had experienced in mankind – from Genghis Khan’s conquests to Nazism. Furthermore, Fr. Daniel believes that Judaism and Christianity derive from the common roots of Abraham, while “the only thing that pulls Islam is dried weeds,” adding that Judaism and Christianity have nothing in common with either Allah or the Quran. According to him, Islam defies the true God, spites all the people, and opposes common sense. For Fr. Daniel, the Quran is an unbelievable book because it was created a long time after Muhammad’s death.
“Not only is the Quran the word of God not revealed, but its devilish inspiration is clear,” Brother Daniel denotes his arguments on the Qur’an. For him, Muhammad is the embodiment of everything bad. “It is alarming that Muhammad is still a model for all Muslims today,”
Furthermore, he believes that Islam is not a peaceful religion. “All those Muslims who are called radical are nothing but normal Muslims, such as they are according to Islamic standards and should be”. “According to some estimates, in the Islamic conquests since its founding 270 million people have been killed,” he expounds.
“There can be no dialogue with Islam,” Daniel says, adding that this is because the nature of Islam is against dialogue.
“We must know that human rights violations are at the core of this ideology,” says the Franciscan.
Thus, in an article entitled “Islam in Statistics,” he says “there are some statistics that show Islam as a violent religion that destroys the whole world.”
On the pages of the Croatian Franciscan Parish of Saints Cyril and Methodius, Fr. Danijel Maljur is described as a Franciscan with an unusual sense of humor, determined in the defense of the faith and ready for the challenges of modern society. Through his YouTube channel, he has been speaking to the general public for some time, and the reason, as he said in an interview on the above-mentioned page, is the fact that the Church has never been attacked in the past as it is being attacked today.
The Turkish Empire At The Height of Its Power and Spread
The Turkish Empire At The Height of Its Power and Spread
A painting depicting the Turkish raid on a Croatian country parson's home
A painting depicting the Turkish raid on a Croatian country parson’s home


sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Vídeo: Imigrantes Chegando em Praia Espanhola.



O vídeo acima mostra a chegada de imigrantes africanos em uma praia bucólica espanhola assustando os presentes. Diz-se que por volta de 8.500 imigrantes chegaram na Espanha só este ano. Isso é apenas uma fração do que chegou na Itália, quando quase 100 mil imigrantes chegaram em 2017.

A Espanha tem cidades na costa africana (Ceuta e Melilla) protegidas por imensas cercas (como Trump sonha construir frente ao México)

A invés de tentar entrar em Ceuta primeiro, alguns estão preferindo ir direto ao território espanhol, pois o processo burocrático nas cidades espanholas na África são lentos.

O barco chegou na cidade de Cadiz.



Os imigrantes estão fugindo de quê?

Guerra na Síria? Claro eu não. Estão fugindo da vida que levam na África, muito especialmente da pobreza.

Como resolver?

Só se resolve, solucionando o problema deles na África. E isso só pode ser feito se houver uma mudança cultural/política na África. No momento, eles estão apenas levando os problemas deles para a Europa.

Leiam o relato da chegada dos imigrantes em Cadiz clicando aqui.



quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Vídeo: Por que a Pena de Morte é Justificada? - Ed Feser Esclarece.



Bom, eu não tenho tenho tempo para traduzir esse vídeo.

Mas esclareço que:

1) Edward Feser é brilhante, seu livro "The Last Superstition" acaba de ser traduzido no Brasil pela Edições Cristo Rei, e eu ajudei a financiar a tradução com muito prazer.

2) Feser está sendo entrevistado por conta do seu novo livro By Man Shall His Blood Be Shed: A Catholic Defense for Catholic Punishment, escrito em parceria com Joseph Bessette.

3) Eu menciono muito Feser em meu livro Teoria e Tradição da Guerra Justa, quando discuto as bombas nucleares jogadas no Japão. Feser defende que os Estados Unidos erraram moralmente em fazer isso, sob o ponto de vista da Guerra Justa (cristianismo).

4) No começo do vídeo, se fala como padres se levantam para atacar a pena de morte (que é um ato contra um culpado) e silenciam sobre as milhões de mortes de inocentes em abortos.

5) Feser diz que a pena de morte é um preceito católico milenar e que sempre foi visto como um ato permitido para casos graves feitos com bastante critério.

6) Esclarece que aborto e eutanásia não podem ser confundidos com pena de morte. Aborto e eutanásia são intrinsecamente imorais, isso não acontece com a pena de morte. Aborto e eutanásia são assassinatos de inocentes.

7) Apesar das palavras de João Paulo II, Feser esclarece que a Igreja nunca mudou sua posição com relação à pena de morte.

8) A Igreja sempre teve a pena de morte como um remédio não só para o homem condenado como para a sociedade. Pena de morte como combinação de misericórdia e justiça.

9) Pena de morte não pode ser movida pelo desejo de ver sangue derramado ou ódio.

10) Inúmeros doutores da Igreja apoiaram a pena de morte, como São Tomás de Aquino.

11) São Tomás, por exemplo, condenou a percepção de que a pena de morte elimina a chance de arrependimento do criminoso. São Tomás disse que esse argumento é frívolo, pois se alguém sabe que sofrerá a pena de morte naquele crime e mesmo assim não se arrepende, ele não se arrependerá em outras circunstâncias.

12) Os crimes são diferentes e devem ser tratados de forma diferentes.

13) As estatísticas nos Estados Unidos não apoiam a percepção de que a pena de morte seja racista, que persiga os negros ou os pobres.

14) O livro discute as posições dos papas sobre o assunto.

15) Feser critica a influência do filósofo John Locke, pai do liberalismo extremo, que tornou a ideia de qualquer punição como algo perverso.

Ele diz muito mais no vídeo...

Comprem o livro. Espero que esse livro também seja traduzido para o Brasil.



Hangout com Dr. Ricardo Felício, Climatologista da USP



Assistam acima o hangout que fiz com Dr. Ricardo Felício hoje, discutindo as "mudanças climáticas".

Espero que gostem. Foi uma honra, discutir o assunto com tão renomado climatologista.


quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Vídeo: Por Que Chamar Terorismo Islâmico de Terrorismo Islâmico? Conselheiro de Trump Responde.



Os jornalistas da MSNBC acham que não precisa chamar o terrorismo islâmico de terrorismo islâmico. Sebastian Gorka (conselheiro de Trump) esclarece: "se você não define a doença corretamente, você nunca acabará com a doença. O terrorismo islâmico não é fruto de desigualdade econômicas ou questões sociais, é fruto de uma ideologia islâmica".

Gorka usa o exemplo do câncer.

Nada a acrescentar.

Obama passou o governo inteiro negando relacionar terrorismo islâmico com o Islã e deixou  mundo em caos. Em suma, não combateu a doença, pois não quis defini-la corretamente.












terça-feira, 8 de agosto de 2017

O Homem Que Quis ser Mulher que Quis ser Homem que Quis ser Mulher


Na minha terra, quando uma criança fazia bobagem na rua logo aparecia alguém e dizia: "quem é o pai desse menino?".

Repito a pergunta a essa pessoa: "cadê os pais desse individuo?"

O primeiro caso de cirurgia para mudança de sexo no Reino Unido foi Brad "Ria" Cooper, quando ele tinha apenas 15 anos (onde estavam o pai e mãe dele?). Ele queria ser mulher.

Daí, quando chegou aos 18 anos, o Brad quis voltar a ser homem, um "homem gay". Agora, depois muitas injeções de hormônio e nova cirurgia, Brad resolveu que quer voltar a ser mulher.

Em suma, depois perguntam por que as taxas de suicídio são mais altas em membros do LGBT.

E ainda vem o Papa Francisco parabenizando casal gay.

Salve-nos Maria, nossa mãe.

Vejam o artigo do site Life Site News.

Man undergoing third sex change: ‘I hope I will finally be happy’

by Claire Chretien

GREAT BRITAIN, August 7, 2017 (LifeSiteNews) – Brad "Ria" Cooper, who was the UK's youngest "sex change" patient at 15, announced he is undergoing his third "sex change" operation, this time to make himself more like a woman again. 
Shortly after his 18th birthday, Cooper "transitioned" back to his biological gender and lived as a "gay man."
"But five years in Ria is more certain than ever that is not the real her – and is making her second attempt at becoming a woman to have the future she always dreamed of," The Mirror reported. 
De-transitioning back to a man "made me even more unhappy," Cooper said. "Now I’m going to be me – and I hope I will finally be happy." 
Cooper told the UK show This Morning that his life went downhill after a documentary about his "transition" was released when he was 18. 
"I was really depressed and I was struggling to find work – no one would give me a job," he said. "My documentary was out when I was 18 and that like, kind of ruined my life from there."
"I never wanted to change back to a man. I was 18, I was going through a really bad patch," he said. "I was in a really bad relationship."
This Morning anchors Eamonn Holmes and Ruth Langsford gushed about Cooper's "journey" and asked how society can be more "enlightened." 
"I just knew I wanted to be a girl" as a young child, said Cooper.
Langsford suggested that for young Cooper it wasn't so much wanting to be a girl as it was "feeling you’re in the wrong body." 

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

"Cristo Nunca Disse: "Ignore o Pecado do seu Próximo, Porque Você Também é Pecador""


Talvez a frase mais lembrada do Papa Francisco é "Quem sou eu para julgar?", dita em relação aos gays. Essa frase está tendo um efeito gigantesco dentro da Igreja e fora dela. Talvez seja essa frase que faz com que a mídia global proteja tanto o Papa.

Biblicamente, isso remete a Mateus 7, quando Cristo nos fala de que não devemos julgar antes de olhar para nossos próprios pecados. A parte em destaque na imagem acima deixa isso claro. Para aconselhar sobre como remover o pecado do próximo, devemos antes ter consciência de nossos próprios pecados

Vejamos Mateus 7:1-5 (Bíblia de Jerusalém):

Não julgueis para não serdes julgados. Pois com o julgamento com que julgais sereis julgados, e com a medida com que medis sereis medidos. Por que reparas no cisco que está no olho do teu irmão, quando não percebes a trave que está no teu? Ou como poderás dizer ao teu irmão: 'Deixa-me tirar o cisco do teu olho', quando tu mesmo tens uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão. 

O filósofo Anthony Esolen fez, como é usual, um texto sensacional sobre o assunto, comentando Mateus 7, publicado no The Catholic Thing

Eu não vou traduzir o texto, porque não tenho tempo, vou apenas descrever os principais pontos.

1) Esolen logo no primeiro parágrafo diz: "Cristo nunca falou para ignorar o pecado do próximo, porque todos nós somos pecadores". Pelo contrário, Cristo deixou claro no mesmo capítulo que o pecado é danoso e que muitos serão levados por ele para a perdição. Mateus 7:13 diz: "Entrai pela porta estreita, porque largo e espaçoso é o caminho que conduz à perdição. E muitos são os que entram por ele. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho que conduz à Vida. E poucos são os que o encontram.". Para Cristo, o pecado é como um câncer que precisa ser extirpado.

2) Esolen deixa claro que aqueles que se penduram na misericórdia desenfreada na verdade não acreditam no pecado, não acreditam que a perdição seja uma coisa real, em suma, não acreditam em Deus.

3) A Igreja sendo "não fundamentalista", aliviando a importância do pecado, acaba ajudando na condenação de mais pessoas.

4) Deus nos fez para que livremente sigamos a lei moral que ele colocou no nossos corações, quando não fazemos isso, morremos. A Igreja deve ressaltar o risco da morte.

5) Chame do que você quiser, mas um pecado continua sendo um pecado.

6) Aqueles que se escondem por trás da misericórdia desenfreada, que desprezam a ideia do pecado são "hipócritas não-julgamentais", são simplesmente covardes que causam danos aos outros e a si mesmos.

7) O pensamento misericordioso desenfreado leva a exaltação da morte: "por que me importar com a morte de alguém se todos morrem no final?", "por que me importar com o pecado de alguém se todos pecam?"

Aqui vai parte do brilhante artigo de Esolen, leiam todo no site do The Catholic Thing:

Splinters, Beams, and Clear Sight
Anthony Esolen, August 3, 2017.

If you see a splinter in your brother’s eye,” Jesus never said, “ignore it, because you probably have a splinter in your eye, too, or something worse.” A splinter in the eye hurts. He warns us against spiritual pride, against believing ourselves better than our brother because we happen not to be afflicted with that particular splinter. That’s why he calls the proud man, in the parable he really told, a hypocrite. But notice what he adds: “First take the plank out of your own eye, and then you will see well enough to take the splinter out of your brother’s eye.”

Jesus waves no banner for splinters. He wants them out. He commands a serious examination of our consciences, a spiritual house cleaning; we must be merciful with sinners, but intolerant of sin, beginning with our own. Are we angry with our brother? Did we gaze with lust at that woman? Do we seek the highest place at table? Do we pray conspicuously, to be noticed? Have we nursed vengeance against those who have hurt us?
Hypocrisy, pride, wrath, lust, covetousness, vanity, vindictiveness – these are all sins or sinful dispositions, to be hated as we hate diseases of the body, because they, like cancer, actually do harm to the real moral constitution with which God has endowed us. Think of serious sins as foreign bodies lodged in the bone, the blood, the brain, the heart. Jesus wants them out.
We can draw a sharp distinction between the realism of the Church and what I’ll call the “irrealism” of our time, a failure to understand the reality of sin. When I say, “Detraction is a sin,” I mean more than that detraction hurts its victim’s reputation, or that God has condemned it, or, to be a sophist, that “society” frowns upon it. I mean that God condemns it in the same way that a doctor hates cancer.
Plato understood the point – how can Christians miss it? Detraction really does gnaw out the insides of the detractor: the sinner is the sin’s first and most terrible victim. We do not follow the moral law as an arbitrary set of cultural restrictions. God has made us so as to thrive by obeying the moral law and to sicken, decay, and die by ignoring it or violating it.

That’s regardless of opinion. It is the law written on our hearts; the law by which our hearts work, and in this respect every single human person is like every other. There are not two or three kinds of human hearts that pump blood to every cell in the body; only one. There are not two or three separate testimonies of the moral law written upon the heart; only one. The physical heart is formed for blood, not water or glue. The moral heart is formed for what really is good, not for hypocrisy, pride, wrath, lust, covetousness, vanity, or vindictiveness.
...
So you say you believe that fornication is wrong, because God has condemned it, but you do not really believe that fornication is wrong, and that therefore God’s condemnation is a guardrail, an alarm. God will, you say to yourself, ignore the wrong, just as you yourself ignore it, because it is more comfortable that way.

You are not a judgmental hypocrite. You are a non-judgmental hypocrite, congratulating yourself for a broad-mindedness that in reality is just indifference or cowardice.

Or you call it a beauty mark because that’s what everybody else calls it, and somehow you hope that God too will play along. You say that since everybody’s a sinner, it hardly matters which sin disfigures you or your brother. God will wipe them all out in the end.
But that attitude cannot be reconciled with the words and the example of Jesus, nor can it make any sense of the Cross. Why bother dying for people palsied with sin, when it would be much easier to shrug at the palsy, wave a magic wand at the resurrection of the dead, and, hey presto, everybody’s a saint?
There is no love in that. If you see the cancer, you don’t say, “Well, everybody is going to die of something eventually, so what’s the big deal?” If you see the man in the ditch, beaten within an inch of his life, you don’t say, “Well, if it weren’t this it would be something else,” and go on your way.
...
Time, dear readers, to return to reality.



sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Neymar, PSG, Catar e Terrorismo Islâmico


O site "O Antagonista" revelou hoje que havia um manifestante na porto do hotel onde estava Neymar com um cartaz que dizia: "O Catar Compra Tudo: Jogadores e Jihad".

É verdade, ponto final.

Aliás, muito provavelmente as coisas estão relacionadas.

Como eu costumo dizer aos meus alunos, a corrupção política ou a lavagem de dinheiro (para o terrorismo ou para as drogas) é, em geral, movimentada por "consultorias", "agência de marketing", tudo em que a medição de preço é difícil, tudo que é difícil comparar.

Isso se aplica claramente a jogador de futebol.

Quanto vale um jogador de futebol? Como se mede isso?

O Catar é conhecido financiador do terrorismo internacional. E que diz isso não é apenas os Estados Unidos e Israel, mas também os próprios países muçulmanos. Recentemente, a Arábia Saudita, O Bahrein e o Egito cortaram os laços diplomáticos com o Catar acusando o país justamente de financiar o terrorismo.

O jornalista Claudio Zaidan explica a entrada do Catar no futebol, que começou justamente com o Barcelona, ex-clube do Neymar.

Os donos do PSG não são franceses, apesar do símbolo do time ter a torre Eiffel e a flor de Lis, mas sim do Catar.

O dono do PSG é Nasser Ghanim Al-Khelaifi (na foto acima com o Neymar), que é muito próximo do Emir do Catar. Ele comprou Neymar com o dinheiro do seu fundo de investimentos Qatar Sports.

E hoje temos a perspectiva de uma Copa do Mundo do Futebol no Catar em 2022.

Finalmente, o nome Saint Germain é relativo ao bairro onde o clube foi fundado e a Saint Germain, bispo de Paris, canonizado em 754. Já ouvi falar que os donos do Catar querem mudar as cores e os símbolos do time.




quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O Islã na Europa e na Austrália - 3 Notícias que Li Hoje


Vejamos a agressividade do avanço do Islã no Ocidente em três notícias.

1) A primeira vem do Reino Unido e observa o sistema jurídico britânico lidando com o Islã. O artigo do jornal Independent Journal Review compara dois casos. Um deles é que um grupo de três pessoas que detestam o avanço do Islã resolveram jogar sanduíches de bacon em uma mesquita. Foram presos, e um deles foi encontrado morto. O outro caso é de um muçulmano que abusou sexualmente de uma criança de 11 anos. O muçulmano foi liberado porque ele sustentava a casa e sua esposa não falava inglês. Tá nas ruas. Sanduíche de bacon (porque os muçulmanos detestam porcos) não pode. Abusar sexualmente de criança, se você for muçulmano, pode.

2) O segundo vem da Alemanha. Este país ia expulsar um muçulmano que estava prestes a cometer um ataque terrorista, mas a Corte de Justiça da Europa proibiu que o país fizesse isso. O muçulmano fica. Vejam o relato do caso no jornal Daily Caller.

3) O terceiro vem da Austrália. A Austrália proibiu a construção de uma sinagoga porque seria alvo de muçulmanos. Vejam o relato do caso no site Jihad Watch.

Assim, por medo, pela estupidez, e por anti-cristianismo e anti-judaísmo, o Ocidente vai deixando o Islã ficar, e ele não tem motivos para se tornar mais pacífico entre nós.


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Dr. Ricardo Felício (climatologista da USP) e Eu Combatendo o tal "Aquecimento Global"


Ontem, eu enviei um link sobre mais uma fraude climática para o meu amigo Dr. Ricardo Felício, renomado climatologista da USP, e ele resolveu traduzí-lo e ao final mencionou meu nome disponibilizando vários links do meu outro blog Bloco 11, Cela 18, além de um link deste blog (Thyself, O lord).

Dr. Ricardo disponibilizou o texto traduzido com os links no site Fake Climate.

Mas aqui vai o texto que ele fez novamente:

Austrália: Escritório do Clima Pego Adulterando Dados Climáticos
Por: Chris White, Tradução: Dr. Ricardo Felício

Cientistas australianos do Bureau of Meteorology (BOM) solicitaram uma revisão dos instrumentos de gravação de temperatura depois que a agência governamental foi pega adulterando registros de temperatura em vários locais.

As autoridades da Agência admitem que o problema com os instrumentos que registraram baixas temperaturas (que desapareceram dos dados) provavelmente aconteceu em vários locais em toda a Austrália, mas eles se recusam a admitir a manipulação de leituras de temperatura. A BOM deu falta de blocos de registros em Goulburn e Snow Mountains, ambos em Nova Gales do Sul.

O meteorologista Lance Pidgeon observou a gravação de 13 graus Fahrenheit em Goulburn desaparecendo do site da agência a partir de 2 de julho. As leituras de temperatura flutuaram brevemente e depois desapareceram do site do governo.
"A temperatura caiu para -10,0 graus Celsius (14 graus Fahrenheit), ficou lá por algum tempo e depois mudou para -10,4 graus Celsius (13 graus Fahrenheit) e depois desapareceu", disse Pidgeon, acrescentando que notificou a cientista Jennifer Marohasy sobre o problema, o que acabou chamando a atenção das leituras para a agência.

O gabinete mais tarde restauraria a leitura original de 13 graus Fahrenheit depois de uma breve sessão de perguntas e respostas com Marohasy.
"O sistema de controle de qualidade da agência, projetado para filtrar valores falsos ou baixos falsos, foi ajustado em -10,0 graus Celsius de mínima para Goulburn, e é por isso que o registro foi ajustado automaticamente", disse uma porta-voz da mesa aos repórteres na segunda-feira. BOM acrescentou que há limites em relação a quão baixas temperaturas podem ocorrer em algumas áreas muito frias do país [nota do trad.: como podem se estabelecer mínimas por filtros para registros de Estações Meteorológicas de Superfície? Ainda mais se no local essas temperaturas são plausíveis?].

O chefe-executivo do BOM, Andrew Johnson, disse ao ministro australiano do Meio Ambiente, Josh Frydenberg, que a falta de registro das baixas temperaturas em Goulburn, no início de julho, deveu-se à equipamentos defeituosos. Uma falha semelhante eliminou uma leitura de 13 graus Fahrenheit em Thredbo Top em 16 de julho, embora as temperaturas naquela estação tenham sido registradas tão baixas quanto 5,54 graus Fahrenheit (-14,7 graus Celsius).

A falta de observação das baixas temperaturas "foi interpretada por um membro da comunidade de forma a implicar que o escritório procurou manipular o registro de dados", disse Johnson, de acordo com o jornal The Australian. "Eu rejeito categoricamente essa implicação".

Marohasy, por sua vez, disse aos repórteres que as afirmações de Johnson são quase impossíveis de acreditar, dado que existem capturas de tela que mostram as temperaturas muito baixas antes de serem "asseguradas pela qualidade". Pode demorar várias semanas antes do equipamento ser testado, revisado e voltar a ficar pronto para o serviço, disse Johnson.

"Eu tomei medidas para garantir que o equipamento neste local seja substituído imediatamente", acrescentou. "Para assegurar que eu tenha uma garantia total sobre esses assuntos, eu acionei uma revisão interna de nossa rede de AWS (Automatic Weather Station - Estação Meteorológica Automática) e os processos associados de controle de qualidade de dados para observações de temperatura".

BOM foi colocado sob o microscópio antes em manipulações semelhantes. A agência foi acusada em 2014 de adulterar o registro de temperatura do país para que pareça que as temperaturas se aqueceram ao longo das décadas, de acordo com relatórios em agosto de 2014.

Marohasey afirmou no momento que os registros de temperatura ajustados da BOM são "propaganda" e não ciência. Ela analisou os dados brutos de temperatura de vários lugares da Austrália, comparou-os com os dados da BOM e descobriu que os dados da agência criaram uma tendência de aquecimento artificial.

Marohasey disse que os ajustes da BOM alteraram os registros de temperatura australiana de uma leve tendência de resfriamento para um "aquecimento dramático" ao longo do século passado.

Link da matéria:

Comentários extras do Prof. Ricardo:
O pior é que não pára por aí... a coisa está cada vez pior. No fechamento das Estações Meteorológicas de Superfície, muitas destas se situavam em lugares frios, como por exemplo, algumas da Sibéria, que no desmonte soviético, foram encerradas e passaram a não fazer mais parte da média global, seja lá que abstração isto se configure para o clima. Assim também foi fácil produzir um "aquecimento" nas séries para média global, quando se encerrou as medições das estações em lugares frios. Um exemplo brasileiro foi o encerramento do projeto Meteoro do INPE, em 2011, que desde o final dos anos 80 vinha registrando os dados meteorológicos na Estação Antártica Comandante Ferraz. A série começou a mostrar redução dos valores de temperatura, daí, não se tornou mais interessante que apresentassem tais informações.
Os cientistas do clima do século XXII, se é que teremos ciência até lá, não poderão utilizar os dados de temperatura do século XXI por contaminação "política". Ao invés de termos registros fidedignos para o melhor entendimento da atmosfera e os climas regionais, as informações vem descaradamente sendo adulteradas, deixando de ter a confiabilidade para os registros climatológicos de longo período.
Enfim, as fraudes são várias. 

Algumas foram elencadas pelo Dr. Pedro Erik Carneiro. Disponibilizo alguns links muito interessantes abaixo:
Paraguai:
Mais países:
Documentário:
Apenas minoria dos cientistas acredita em mudança climática:
Erros de "Previsão":
Mudança Climática é só estupidez humana:
Admissão de que não vai haver aquecimento:

Tem muito mais, mas essas são bem relevantes.
Ricardo Augusto Felicio

Prof. Climatologia


terça-feira, 1 de agosto de 2017

Bill Clinton , em 1994, disse: Resolvemos a Ameaça da Coréia do Norte, Demos U$ 4 Bilhões para Eles.



Vejam o vídeo acima, é de outubro de 1994. Clinton prometeu que a ameaça nuclear da Coréia do Norte estava resolvida, os Estados Unidos e os países da região iriam fornecer ajuda financeira e técnica para a Coreia do Norte e este país deixaria de ameaçar o mundo.

Hummm...não deu certo. Dinheiro para pária não costuma fazer o pária deixar de ser pária, pelo contrário.

Na ocasião, a Coreia do Norte zombou e enganou Clinton e também um ex-presidente, Jimmy Carter, que era o negociador de Clinton.

A Coreia do Norte pegou o dinheiro do Ocidente, embolsou, mas não fez sua parte, manteve o desenvolvimento nuclear.

Obama não observou os erros de Clinton, e fez um acordo com o Irã que segue a mesma estupidez de Clinton.

Recentemente, Trump condenou os líderes do passado que lidaram com a Coreia do Norte, chamando-os de idiotas (fools), quem deixaria de dar razão para ele?

O site Lifezette explica porque as ações de Clinton de 1994 são agora tidas sobre exemplo de como não agir quando se lida com ameaças do tipo da norte-coreana.

Bill Clinton Paved the Way for a Nuclear North Korea

Democratic president's 1994 dealmaking with Pyongyang started a process that led to ICBM capabilities




Former U.S. intelligence officials are sounding alarm bells as North Korea inches closer to having a nuclear missile capable of reaching Hawaii or the West Coast of the United States.
Bruce Klingner, a former CIA deputy division chief for Korea, told Fox News the rogue regime in Pyongyang is closer than people realize to adding operational ICBM missiles to its arsenal — large-range weapons capable of carrying a nuclear payload that could cross the ocean and strike America.
“We can expect an [intercontinental ballistic missile] test this year with full capability within the next few years,” Klingner said.
North Korea recently fired ballistic missiles into the Sea of Japan in violation of the United Nations Security Council.
An ICBM from a rookie nuclear-league nation in the Pacific Rim could at least hit Hawaii or Los Angeles. Pyongyang is apparently reacting to its feeling of being surrounded by mortal foes: South Korea, Japan, and the United States.
At least one foreign-policy expert said he traces North Korea’s current saber-rattling to a nuclear deal made two decades ago by President Bill Clinton.
On Oct. 18, 1994, Clinton approved a plan to arrange more than $4 billion in energy aid to North Korea over the course of a decade, in return for a commitment from the country’s Communist leadership to freeze and gradually dismantle its nuclear weapons development program, according to The New York Times.
The “complex” deal was to de-escalate the situation on the Korean peninsula, where the two Korean nations never negotiated a peace treaty after the Korean War ended in armistice in 1953.
“This agreement is good for the United States, good for our allies, and good for the safety of the entire world,” said Clinton in 1994. “It’s a crucial step toward drawing North Korea into the global community.”
The drawing-in never happened. North Korea has become more isolated and dangerous. And after years of furtive activity in North Korea, attempts to placate the Communist state seem to have only encouraged its dangerous leaders.
“The North Korean deal of 1994 is the prototype for why open societies should not negotiate arms control agreements with rogue regimes,” said Robert Kaufman, professor of public policy at Pepperdine University. “The North Koreans duped Jimmy Carter — an emissary of Clinton — and the Clinton administration to subsidize the North Korean nuclear program in exchange for the counterfeit promise that North Korea would limit itself to civilian nuclear power.”
Kaufman said the agreement tranquilized the West while the North Koreans proceeded to cross the nuclear threshold, which they announced in 2002 after pocketing billions from the West.
But nuclear weapons are far less a threat without the capability to deliver them to another continent. That the North Koreans could have an ICBM means they could soon threaten most nations on the planet. It would force a higher level of negotiation from nations reluctant to negotiate with the tyrannical regime.
And it could mean a greater degree of “blackmail.” North Korea is a cash-poor nation that often takes money from its enemies. An ICBM could allow the nation to begin arranging all kinds of new agreements meant to extort South Korea, Japan, the United States, and others for cash.
But it could just be talk. On Jan. 2, President Donald Trump said North Korea's threats were aimed at improving its power and negotiating position.
"North Korea just stated that it is in the final stages of developing a nuclear weapon capable of reaching parts of the U.S.," Trump tweeted. "It won't happen!"
But over time, it's likely the North Koreans will test and test until they can gather the technology to build an ICBM with a nuclear weapon.
Kaufman says the 1994 deal shows the folly of nuclear talks with rogue states. The 1994 deal appears to be the same mistake former President Obama made with Iran before his tenure expired.
"[President] Obama's feckless nuclear deal [with Iran] is the sequel," said Kaufman. "We have lifted sanctions on Iran, infusing that tottering economy with much-needed cash, in exchange for an agreement that enables Iran to cross the nuclear threshold — even in the unlikely event the Iranians abide by it. Worse, we can [not] verify Iranian compliance reliably. Nor can we enforce the agreement even if we detect unambiguous violation because enforcement depends on the U.N. Security Council."
Kaufman said the United States should have never bet on North Korea and Iran disarming.
"Arms control works best when needed least — when both sides wish to disarm," said Kaufman. "Arms control with rogue regimes is, on the contrary, a triumph of hope over experience."