sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Vídeo: Bolsa Família, Food Stamp, Eleitores Brasileiros, Eleitores Americanos


Vejam o vídeo abaixo. O jornalista está discutindo a situação política dos Estados Unidos e analisa se os americanos estão preparados para eleger o caminho correto para o país nas eleições parlamentares da próxima semana.

O jornalista Bill O'Reilly, do programa mais assistido da TV a Cabo dos Estados Unidos, se mostra muito preocupado com os seguintes fatos: grande parte dos americanos são estúpidos, recebem baixo nível de educação, e não sabem nada do que acontece na economia, na política, na guerra cultural, no mundo, etc. Além disso, os americanos estão seguindo uma lógica individualista, sem se preocupar com o coletivo, o negócio dos americanos é receber benesses, sem se preocupar com o efeito disso na sociedade.

Você lembrou do Brasil na crítica que ele fez aos eleitores dos Estados Unidos?

Pois é, tudo que ele disse poderia se referir ao Brasil.

Vejamos o que ele diz no vídeo:

1) Ele diz que a maioria do povo americano acha que o país com Obama está indo para o caminho errado. As pesquisas no Brasil também apontam que o povo brasileiro quer mudança.

2) A maioria dos americanos acham que a economia do pais está na mesma ou pior. Os brasileiros também responderiam no mesmo sentido.

3) Estes dados de pesquisas poderiam ser terríveis para Obama, mas não é bem assim. Os americanos ainda confiam mais no Democratas, partido de Obama, do que na oposição para lidar com a economia, apesar de ser por pequena margem. Bom, no Brasil, o Aécio perdeu também por pequena na margem.

4) Bill O'Reilly diz que os eleitores americanos estão confusos. E que há duas razões para estarem confusos: narcisismo ( a população olha para as próprias necessidades e esquecem os problemas coletivos) e estupidez ( abaixa qualidade da educação). E quando o nível de conhecimento é baixo a "propaganda domina". No Brasil, a percepção dos rumos da economia do Brasil ficou muito melhor em outubro, por que? Não havia nenhuma razão,  a inflação estava pior e o crescimento em queda maior ainda.Não havia nenhuma justificativa, a não ser influência da propaganda governamental em época da eleição. 

5) Quando a população é estúpida, ela se move pela propaganda e fica muito difícil estabelecer clareza nos argumentos. 

6) O'Reilly passa a falar que se os Estados Unidos continuarem esse caminho de eleger gente incompetente, seria um desastre enorme nos Estados Unidos. Ele diz que é assustador E fala sobre a políticas econômicas do governo Obama. Bom, basta trocar Estados Unidos por Brasil e substituir o nome de Obama pela liderança brasileira.

7) O'Reilly finaliza dizendo que Obama e o partido dele continuam dizendo que o governo irá fornecer tudo que a população precisa, mas os Estados Unidos precisam de prosperidade e não de brindes, benesses. O Brasil também.

Vejam o vídeo, O'Reilley passa a falar o que descrevi a partir de 1 minuto do vídeo e termina aos 4:40, quando O'Reilly passa a fazer entrevistas..




Assim, como a baixa qualidade da educação, o problema de corrupção de valores de programas como o Bolsa Família (Food Stamp nos Estados Unidos) ou Minha Casa, Minha Vida, etc, é comum no mundo. Não é um problema apenas brasileiro, mas é um enorme problema brasileiro, explorado por políticos.

Estes programas viciam o povo e também os políticos.

Finalmente, cabe dizer que o Papa Francisco deveria ouvir Bill O'Reilly, recentemente o Papa falou uma tremenda bobagem (perdão, mas é sim uma tremenda bobagem) ao dizer que todos "têm direito a teto, terra e trabalho" e pior que "o centro do Evangelho é o amor pelos pobres".

Meu Deus, Papa Francisco, o centro do Evangelho é............................JESUS CRISTO!!!

Que ama pobres e ricos para que todos "tenham vida". Para isso, pobres e ricos têm de seguir Cristo.

Estou ficando com preguiça de criticar o Papa Francisco, por vezes ele fala coisas muito simplórias.


quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Por que as Pessoas que Defendem o Casamento Gay se Acham Moralmente Superiores?


Muitas vezes quando debato sobre casamento gay, alguém me diz: "Esquece, Pedro, não tem jeito, este negócio vai passar. A história está do lado dos gays."

Eu já falei aqui que o melhor livro que li no ano passado é do filósofo Edward Feser, imagem do livro acima. Ele é brilhante.

Hoje, eu li um artigo que ele escreveu em seu site sobre como o movimento de aceitação do casamento gay e da comunhão para pessoas divorciadas que casaram novamente alcançou o status de moralmente superior ao ponto de achar que a história está do lado deles.

Feser sempre aponta para as fontes filosóficas para aceitação destes erros.  O texto é muito longo e merece ser lido com muita atenção. Eu teria um prazer de traduzi-lo todo e passá-lo para diversas pessoas e colocar no blog. Mas não tempo agora.

Vou colocar aqui apenas a sequência de argumentos, a sequência da uma boa ideia do texto. O texto se chama Nudge, Nudge, Wink, Wink (que literalmente significa Cutuque, Cutuque, Pisque, Pisque, mas quer dizer "Vá empurrando o argurmento até que todos aceitem").

Aqui vai a sequencia de argumentos do texto.

1) Inicialmente, Feser fala da tese de H.P.Grice que se chama "implicature", que é o ato de implicar uma coisa dizendo outra coisa. Um dos exemplos para explicar implicature é: você está olhando para um quadro e alguém lhe pergunta se você gostou da obra. Você responde que gostou da moldura (o que implica que você não gostou da obra do artista).

Outro exemplo: você teve um encontro às cegas com uma pessoa, depois do encontro alguém lhe pergunta se você gostou do encontro e você responde que gostou do restaurante (o que implica que você não gostou do encontro).

2) A abordagem da implicature foi usada no artigo Why Homossexuality is Abnormal, no qual o autor (Micahel Levin) explica que qualquer legislação em favor dos homossexuais "implica" uma ação bem maior, implica que a moral foi alterada, o impacto é bem maior do que o ato de legislação, é uma mudança cultural, todos devem aceitar a homossexualidade como natural e normal.

Isso agora é fato na sociedade. Diz Feser:

Same-sex marriage” and antidiscrimination laws are now routinely defended, not on grounds of neutrality, but on the basis of the decidedly non-neutral judgment that moral (or any other) disapproval of homosexuality can only possibly stem from bigotry, ignorance, religious fanaticism, or plain mean-spiritedness.  As Justice Scalia famously complained, opponents of “same-sex marriage” are now treated as if they were the “enemies of the human race,” and their defeat is widely regarded both as a moral imperative and the inevitable next stage in the progress of civilization.  Meanwhile, whether out of fear, lack of conviction, or both, the most prominent conservatives don’t even bother to address the fundamental moral question anymore, but feebly retreat into considerations of secondary importance, such as federalism or judicial activism.  And even then, everything they say is hedged with panicky assurances of their tolerance and compassion.  The moralistic fervor is now all on the liberal side, and as any serious conservative should know, you cannot beat moralism with quibbles about procedure.

So, the “dominant narrative” on the pro-“same-sex marriage” side is: “We have the moral high ground, history is on our side, and conservatives’ retreat from the moral field, desperate resort to secondary issues, and semi-apologetic, defensive presentation show that deep down they know it’s true.”  Now, judges, lawmakers, and political candidates know that this is the “dominant narrative,” and they know that “same-sex marriage” advocates and society at large know that they know it. 

Traduzindo o argumento acima, as legislações que ocorrem em favor dos casamento gay fazes as pessoas que defendem a homossexualidade  posicionarem como moralmente superiores. E segundo elas, a "história está do lado delas". Os que resistem a aceitação do casamento gay são tratados como inimigos da humanidade.

3) Depois de algumas considerações, Feser, que é católico, passa a falar do comportamento da Igreja Católica.

Ele disse que os elogios às causas gays e o silêncio do clero "implica" aceitação da cultura gay dominante. E também é o caso da aceitação dos divorciados.

O que os críticos da Doutrina da Igreja querem é alterar a Doutrina e a Teologia completamente, para que a Igreja aceite toda a agenda esquerdista: casamento gay, comunhão para divorciados que se casam novamente, mulehres como padres, etc.

O resultado do último sínodo "implicou" a aceitação da Igreja a esta cultura esquerdista. Dizer que homossexuais são bem-vindos "implica" em aceitar o casamento gay. Não é culpa totalmente da imprensa que distorce os textos da Igreja, as ações dos membros do clero "implicam" aceitação.

4)  Feser então explica como as coisas chegaram a este ponto de quase destruição dos ensinamentos de Jesus.

Ele coloca dois fatores:
  • O Abandono da escolástica, do tomismo, da tradição da Igreja, que exige definições precisas e lógicas.
The first is what I have identified elsewhere as the chief cause of the collapse of Catholic apologetics, dogmatic and moral theology, and catechesis: the abandonment of Scholasticism.  Thomists and other Scholastic theologians and philosophers, and the churchmen of earlier generations who were given a Scholastic intellectual formation, emphasized precision in thought, precision in language, precision in argumentation, precision in doctrinal and public statements, and extreme caution about novel theses and formulations which might undermine the credibility of the Church’s claim to preserve and apply doctrine, and not manufacture or mutateit.  Say what you will about the (purported) limitations of Scholastic theology and philosophy, there was, in the days when Scholasticism held sway, never any doubt about exactly what a statement from a bishop or from the Vatican meant and about exactly how it squared with Catholic tradition


Por exemplo, por dois milênios o clero declarou que é necessário conversão à Igreja para a salvação, hoje em dia se fala em diálogo com todas as religiões e se condena o proselitismo (eu falei disso aqui no blog).
  • O segundo fator é aceitação do liberalismo, que implica que a vontade é superior ao que é certo e errado. A verdade é superada pela vontade. O liberalismo quer "libertar" o individuo de todas as supostas amarras culturais, políticas e religiosas. Não se deve conter a homossexualidade, pois ela seria um ato de liberdade. A liberdade virou um valor acima de todos os valores. Diz Feser:
Liberalism is the offspring of Ockham’s voluntarism, the prioritizing of the will over the intellect.  Press voluntarism as far as it will go and you are bound to conclude that what the will chooses is more important that what the intellect knows.  Objective truth itself is bound to come to seem an oppressive imposition on the will.  For Aquinas, of course, this has things precisely backwards.  The will is subordinate to the intellect, and has as its final cause the pursuit of the objective truth that the intellect grasps.  And if the objective truth of the matter is that you deserve a punishment of death, or ought to convert to Catholicism, or ought to restrain your sexual impulses, then it is just tough luck for the will if what it wants is something else.  (I speak loosely, of course.  It is not really “tough luck” for the will; such submission is what is truly good for the will.) 
Now as every Thomist knows, there is some truth to be found in more or less any erroneous system of thought.  Hence there is, naturally, some truth in liberalism.  The free exercise of the will really is a good thing.  But it is a good that is subordinate to the higher end for which it exists, namely the pursuit of what is really true and good.  


4)  Finalmente, Feser, dá uma palavra de otimismo.

Para reverter as "implicações" das palavras imprecisas e do silêncio, só com renomadas e fortes palavras em favor da Doutrina e dos ensinamentos de Jesus.

E reitera, que acredita que assim como superou o arianismo, a Igreja vai superar o liberalismo.

This is not unprecedented in Church history.  The Arian heresy exerted enormous pressure on the Church.  It had political power, won the support of many bishops, and was difficult to combat because of the ambiguous language in which it was often formulated.  Even Pope Liberius, though he did not bind the Church to error, temporized.  The heresy took centuries to die out completely.  No doubt there were churchmen at the time keen to emphasize the “gifts and qualities” of Arians, to “accept and value” the depth and sincerity of their devotion to the Arian cause, and to affirm the “precious support” Arians provided one another. 

In light of what has happened at the Synod, some orthodox Catholics are inclined to channel Kevin Bacon in Animal House, while others are inclined to freak out.  Both tendencies are mistaken.  The truth is that things are pretty bad, and also that they are not that bad.  This kind of thing sometimes happens in the Church.  Liberalism will suffer the same fate as Arianism, but it may take a very long time for the Church entirely to flush it out of its system, and things may get a lot worse before they get better.  For the moment and no doubt for some time to come, too many churchmen will continue to respond to the liberal spirit of the age with a nudge and a wink and glad-handing bonhomie.  But in the end the Church will, as she always does, heed the words of her Master: Let your ‘Yes’ be ‘Yes,’ and your ‘No,’ ‘No.’(Matthew 5:37).


Brilhante, Feser. Leiam todo o texto.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Justin Bieber e um Filme Pró-Vida (assista aqui)


Justin Bieber não é flor que se cheire, apronta mil e uma estupidezes pelo mundo. Mas a história dele não deixa de ser bonita. E ele é um grande músico.

A mãe dele engravidou do cantor quando era solteira e ia abortá-lo, apenas desistiu de abortá-lo com o apoio de um centro de apoio a mães grávidas. E ela é muito grata a este tipo de instituição e procura apoiá-las.

Agora, ela está produzindo um filme pró-vida, que o blogueiro católico Brandon Vogt aclamou como "o mais poderoso filme pró-vida do ano".

A mãe de Bieber se chama Pattie Mallete, e ela falou sobre a produção no site do filme. Disse que tem esperança que o filme ajude mulheres na mesma situação que ela passou. Ela disse que estava relativamente sozinha, assustada e despreparada, quando ficou grávida de Bieber, até que o centro de ajuda à mulheres grávidas forneceu apoio. Ela disse que não sabe o que teria aacontecidosem este centro.

O filme se chamada Crescendo, e tem apenas 15 minutos. O filme é vencedor de 11 festivais internacionais de curta metragens. 

Apesar de ser aberto a todos no site, comprem o filme para passar em casa para todos da família ou nas igrejas, ou nos centros de apoio à mulheres.

A mensagem do filme para mim é: independente da situação dos pais, uma vida é uma vida, é uma vida que tem dons de Deus, que podem levar a maravilhas.

Ainda não há versão em português, infelizmente.

Assistam ao filme abaixo:






terça-feira, 28 de outubro de 2014

Vídeo: Soteriologia - Aprenda se Você vai para o Paraíso ou Não.


Eu já falei aqui sobre o New Saint Thomas Institute. Pagando 25 dólares por mês, você pode aprender (se sabe inglês) sobre diversos pontos importantes da fé católica com o teólogo Dr. Taylor Marshall. Muitos padres fazem parte do Instituo e continuam aprendendo com Marshall, ele é brilhante na forma de ensinar.

Eu não posso disponibilizar os vídeos do Instituto, são apenas para assinantes, mas Marshall disponibilizou, em seu site, um vídeo para incentivar o ingresso no instituto.

Então, vou colocar aqui para vocês terem uma ideia do que é ensinado e da forma que é ensinado. O vídeo trata de soteriologia, o estudo da salvação humana. Marshall explica as diferenças entre a soteriologia protestante e a católica.

Por que os protestantes estão tão certos de sua salvação e os católicos não estão?

Eu não vou traduzir,  Marshall fala bem lentamente, é também um bom treino para o inglês.

Vejam abaixo:






segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Falta Homem (Público e Privado) no Brasil. Oração para Filhos.


Qual é o homem público no Brasil que vai dizer para o país (e não em jantares entre amigos) que o Bolsa Família é a maior corrupção de valores do Brasil e a maior fonte de compra de votos? Qual é o homem público no Brasil que vai dizer para o país que não se pode pagar servidor público que tem estabilidade o dobro que se paga para empregados do setor privado? Qual é o homem público no Brasil que vai dizer para o país que novelas e futebol é uma combinação que emburrece a população? Qual é o homem público no Brasil que vai dizer para o país que o carnaval é uma festa cara, que estimula embriaguez e pornografia?

Será que temos homens privados o bastante no Brasil para eleger este homem público?

NÃO, não temos.

Em suma, faltam homens no Brasil. Os homens públicos são o reflexo dos homens privados, corruptos.

O Brasil não seguirá um caminho do desenvolvimento correto, se não houver homens de verdade, que entendam isso. Estou falando de homens de verdade, coisa que se pode encontrar em mulheres também, gente que sabe muito bem a corrupção de valores que permeia o Brasil.

No Brasil, não há nem partido de oposição. Aécio Neves governou Minas apoiando e recebendo apoio do PT. E sempre falando bem do líder do PT que o xingou de todo nome nas eleições de 2014.

Ontem, eu li uma linda oração para homens de verdade, que o general Douglas McArthur dedicou ao seu filho.

O general Douglas MacArthur foi um general cinco estrelas dos Estados Unidos, herói da Segunda Guerra, líder das forças americanas no Pacífico, que dominou economicamente e politicamente o Japão. MacArthur foi condecorado com a medalha de honra nos Estados Unidos, coisa que seu pai também Arthur MacArthur, também foi. Sendo o único caso que pai e filho receberam esta elevada condecoração.

Abaixo, vemos a foto famosa do general MacArthur do lado imperador Hiroito do Japão, que era considerado um Deus pelos japoneses. MacArthur, com seu jeito relaxado,  em apenas uma foto expõe a fragilidade humana do imperador.




Vou traduzir a Oração que Douglas MacArthur fez para seu filho. Rezem esta oração para que seus filhos brasileiros sejam como o MacArthur deseja para o filho dele. Encontrei a oração em um site chamado The Art of Manliness (A Arte de Ser Homem), dedicado às coisas masculinas. 

A segunda parte da oração lembrou-me o título do meu blog: Thyself, O Lord. E a terceira parte lembrou a crítica que faço à corrupção do Bolsa Família.

Assim rezou MacArthur por seu filho (tradução minha em azul).

Oh meu Senhor, faça para mim um filho, que seja forte o bastante para saber que ele é fraco e corajoso o bastante para encarar ele mesmo quando estiver com medo; um filho que será orgulhoso e inquebrantavelmente honesto na derrota, e humilde e gentil na vitória. 

Senhor, dê-me um filho cujos desejos não estarão em atos; um filho que Te conhecerá Senhor e que saberá que conhecer a si mesmo é a grande fonte de conhecimento. 

Conduza meu filho, Senhor, não para o caminho mais fácil e confortável, mas para aqueles cheio de estresses, esporões, dificuldades e desafios. Permita que ele se levante na hora da tormenta; que ele aprenda compaixão para com aqueles que caem.

Faça para mim um filho cujo coração será limpo e direcionado para valores elevados; um filho que dominará a si mesmo antes de querer dominar os outros; um que alcançará o futuro, sem nunca esquecer o passado.

E depois de tudo isso, eu oro, para que ele tenha senso de humor o suficiente, de uma maneira que ele possa sempre ser sério, embora nunca sério demais consigo mesmo. Faça-o humilde, para que ele sempre lembre a simplicidade da verdadeira grandeza, a mente aberta da verdadeira sabedoria e a fraqueza da verdadeira fortaleza,

Então, eu, seu pai, terei a coragem de dizer "Eu não vivi em vão."

---
Rezo esta oração pelos meus filhos.

Rezemos pelos filhos do Brasil.


(Agradeço a oração ao site New Advent)

domingo, 26 de outubro de 2014

Uma Ave Maria pelo Brasil


Nosso país está muito feio, muito baixo nível, partindo até daqueles que estão no poder. Hoje, reze uma Ave Maria pelo Brasil, para que saibamos escolher o caminho da verdade e do trabalho, e não da mentira, da baixaria e da corrupção.

Aprendamos a fazer a coisa certa, e não o que é mais fácil.




Pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida.

Rezemos também pelo santo do dia 26 de outubro: São Luís Orione, que esteve no Brasil pregando para a gente.

São Luís Orione, grande exemplo de santidade

O Papa João Paulo II, em 1980, colocou diante dos nossos olhos um grande exemplo de santidade expressa na caridade: Luís Orione. Nasceu em Pontecurone, um pequeno município na Diocese de Tortona, no Norte da Itália, no dia 23 de junho de 1872.
Bem cedo percebeu o chamado do Senhor ao sacerdócio. Ao entrar no Oratório, em Turim, recebeu no coração as palavras de São Francisco de Sales lançadas pelo amado São João Bosco: “Um terno amor ao próximo é um dos maiores e excelentes dons que a Divina Providência pode conceder aos homens”. Concluiu o ginásio, deixou o Oratório Salesiano, voltou para casa e depois entrou no seminário onde cursou filosofia, teologia, até chegar ao sacerdócio que teve como lema: “Renovar tudo em Cristo”. Luís Orione, sensível aos sofrimentos da humanidade, deixou-se guiar pela Divina Providência a fim de aliviar as misérias humanas.
Sendo assim, dedicou-se totalmente aos doentes, necessitados e marginalizados da sociedade. Também fundou a Congregação da “Pequena Obra da Divina Providência”. Em 1899, Dom Orione deu início a mais um Ramo da nova Congregação: os “Eremitas da Divina Providência”. Em 1903, Dom Orione recebeu a aprovação canônica aos “Filhos da Divina Providência”, Congregação Religiosa de Padres, Irmãos e Eremitas da Família da Pequena Obra da Divina Providência.
A Congregação e toda a Família Religiosa propunha-se a “trabalhar para levar os pequenos os pobres e o povo à Igreja e ao Papa, mediante obras de caridade”. Dom Orione teve atuação heróica no socorro às vítimas dos terremotos de Reggio e Messina (1908) e da Marsica (1915).
Por decisão do Papa São Pio X, foi nomeado Vigário Geral da Diocese de Messina por 3 anos. Vinte anos depois da fundação dos “Filhos da Divina Providência”, em 1915, surgiu como novo ramo a Congregação das “Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade”, Religiosas movidas pelo mesmo carisma fundacional.
O zelo missionário de Dom Orione cedo se manifestou com o envio de missionários ao Brasil em 1913 e, em seguida, à Argentina, ao Uruguai e diversos países espalhados pelo mundo. Dom Orione esteve pessoalmente como missionário, duas vezes, na América Latina: em 1921 e nos anos de 1934 a 1937, no Brasil, na Argentina e no Uruguai, tendo chegado até ao Chile. Foi pregador popular, confessor e organizador de peregrinações, de missões populares e de presépios vivos.
Grande devoto de Nossa Senhora, propagou de todos os modos a devoção mariana e ergueu santuários, entre os quais o de Nossa Senhora da Guarda em Tortona e o de Nossa Senhora de Caravaggio; na construção desses santuários será sempre lembrada a iniciativa de Dom Orione de colocar seus clérigos no trabalho braçal ao lado dos mais operários civis.
Em 1940, Dom Orione atacado por graves doenças de coração e das vias respiratórias foi enviado para Sanremo. E ali, três dias depois de ter chegado, morreu no dia 12 de Março, sussurrando suas últimas palavras: “Jesus! Jesus! Estou indo.” Vinte e cinco anos depois, em 1965, seu corpo foi encontrado incorrupto e depositado numa urna para veneração pública, junto ao Santuário da Guarda, em Sanremo na Itália.
O Papa Pio XII o denominou “pai dos pobres, benfeitor da humanidade sofredora e abandonada” e o Papa João Paulo II depois de tê-lo declarado beato em 26 de outubro de 1980, finalmente o canonizou em 16 de maio de 2004.
São Luís Orione, rogai por nós!

(Agradeço a indicação de São Luís Orione ao site Canção Nova)

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Papa Francisco versus Papa Bento XVI e os Missionários


Ceta vez, o Papa Francisco disse uma frase que me deixou tão chateado que eu não quis nem comentar. Ele disse que a "pior coisa que se faz é fazer proselitismo religioso, pois isto paralisa".

Não era a primeira vez que o Papa Francisco atacava o proselitismo religioso, e por consequência atacava os missionários cristãos (tão importantes para o Brasil, vide Padre Anchieta e Padre Antonio Vieira, dois jesuítas, como o Papa Francisco).

O pior é que ele por vezes usa o Papa Bento XVI para atacar o proselitismo Ele costuma dizer que o Papa Bento XVI disse que a "Igreja não cresce fazendo proselitismo e sim atraindo as outras pessoas".

O site Catholic Answers não sabe de onde o Papa Francisco tirou esta frase do Papa Bento XVI.  Mas defende o Papa Francisco argumentando que talvez a definição de proselitismo tenha mudado, tenha tomado uma conatação negativa, e não mais evangelizadora.

Bom, em todo caso, o Papa Bento XVI recentemente, no dia 21 de outubro deste mês, parou um pouco sua aposentadoria para falar sobre o assunto. No texto, que foi publicado no site do Catholic Register, o Papa Bento XVI critica também o ecumenismo e o relativismo religioso, e a vontade de "diálogo" com outras religiões. E também fala que a Igreja não deve focar em aumentar o número de fiéis e sim em levar Cristo a todos.

Será uma resposta ao Papa Francisco? Acho que não, mas o Papa Francisco devderia ler o discurso, e mudar seu extremismo com "diálogo".

Bento XVI enviou um documento para ser lido durante uma cerimônia da Universidade Urbaniana Pontifícia de Roma. O documento foi lido pelo seu secretário, arcebispo Georg Ganswein.

E é brilhante, como costuma ser o que fala e escreve o Papa emérito Bento XVI.

Não vou nem traduzir para não prejudicar o texto. Vou colocar aqui no original. Leiam, se não entenderem usem o Google Translate.

Retired pope says interreligious dialogue no substitute for mission

BY  FRANCIS X. ROCCA, CATHOLIC NEWS SERVICE
VATICAN CITY - Retired Pope Benedict XVI said dialogue with other religions is no substitute for spreading the Gospel to non-Christian cultures, and warned against relativistic ideas of religious truth as "lethal to faith." He also said the true motivation for missionary work is not to increase the church's size but to share the joy of knowing Christ.
The retired pope's words appeared in written remarks to faculty members and students at Rome's Pontifical Urbanian University, which belongs to the Congregation for the Evangelization of Peoples. Archbishop Georg Ganswein, prefect of the papal household and personal secretary to retired Pope Benedict, read the 1,800-word message aloud Oct. 21, at a ceremony dedicating the university's renovated main lecture hall to the retired pope.
The speech is one of a handful of public statements, including an interview and a published letter to a journalist, that Pope Benedict has made since he retired in February 2013.
"The risen Lord instructed his apostles, and through them his disciples in all ages, to take his word to the ends of the earth and to make disciples of all people," retired Pope Benedict wrote. "'But does that still apply?' many inside and outside the church ask themselves today. 'Is mission still something for today? Would it not be more appropriate to meet in dialogue among religions and serve together the cause of world peace?' The counter-question is: 'Can dialogue substitute for mission?'
"In fact, many today think religions should respect each other and, in their dialogue, become a common force for peace. According to this way of thinking, it is usually taken for granted that different religions are variants of one and the same reality," the retired pope wrote. "The question of truth, that which originally motivated Christians more than any other, is here put inside parentheses. It is assumed that the authentic truth about God is in the last analysis unreachable and that at best one can represent the ineffable with a variety of symbols. This renunciation of truth seems realistic and useful for peace among religions in the world.
"It is nevertheless lethal to faith. In fact, faith loses its binding character and its seriousness, everything is reduced to interchangeable symbols, capable of referring only distantly to the inaccessible mystery of the divine," he wrote.
Pope Benedict wrote that some religions, particularly "tribal religions," are "waiting for the encounter with Jesus Christ," but that this "encounter is always reciprocal. Christ is waiting for their history, their wisdom, their vision of the things." This encounter can also give new life to Christianity, which has grown tired in its historical heartlands, he wrote.
"We proclaim Jesus Christ not to procure as many members as possible for our community, and still less in order to gain power," the retired pope wrote. "We speak of him because we feel the duty to transmit that joy which has been given to us."

---

Essa frase de que o encontro com Cristo é recíproco é simplesmente sensacional. Cristo quer que conheçamos sua história, sua sabedoria.

Como qualquer discurso do Papa Bento XVI, este também me dá muito orgulho de ser católico, pois honra nossos santos, tantos que morreram e continuam morrendo sendo missionários da fé.


(Agradeço o texto do Papa Bento XVI ao site Pewsitter)

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O Terrorismo de "Dimensões Inimagináveis".


Recentemente, um garoto de 17 anos foi crucificado pelo Estado Islâmico na cidade síria Raqqa e ficou crucificado vivo por três dias, até que faleceu. Ao que parece o garoto era cristão e foi pego batendo fotos de bases militares. O fato foi reportado em todo mundo (não vi no Brasil, no entanto), como pelo jornal inglês Daily Mail.

Crucificado vivo por três dias!! Já imaginaram morrer dessa forma?

 Talvez seja disso que o Papa Francisco lembrou quando disse que "vivemos em um período de terrorismo inimaginável", sem no entendo relatar quais são as bases ideológicas desse terrorismo. Ele disse que muitos sofrem brutalmente, mas não disse quem os faz sofrer e por quê.

Nem poderia dizer sob pena de contradizer  a si mesmo, Papa Francisco já declarou que o "próprio entendimento do Islã, proíbe Violência".

Muitas pessoas lêem o Alcorão e não vêm a mesma coisa que o Papa Francisco, e não são apenas os terroristas. Pesquisas mostram que a maioria dos muçulmanos apoiam a lei sharia islâmica e grande parte apoia os argumentos dos terroristasm incluindo líderes religiosos. Será que o Papa Francisco conhece mais o Alcorão e a vida de Maomé do que eles?

Ele também não diz como devemos combater este terrorismo inimaginável. Será aceitando as crucificações e o fato de que os terroristas irão acabar com 2000 mil anos de presença cristã no Oriente Médio, na esperança que eles pararão por aí?

Não será que o ataque de ontem no Canadá mostra que eles não pararão?

Se eu fosse Obama e líderes do mundo, eu visitaria o Papa Francisco com uma  AK-47 e perguntaria a ele o que fazer com aquilo. Deveria jogar fora ou invadir o Iraque e a Síria e proteger os cristãos? O que ele me diria?

Vejam o vídeo abaixo da Rome Reports, em que o Papa Francisco declara que o mundo assiste a um terrorismo inimaginável. No final do vídeo, uma membro do Focolare Movimento fala pelos refugiados (!) e diz que eles não querem vingança.

Não seria bom perguntar a eles o que fazer?

Aliás, a teoria da guerra justa católica não defende a "vingança", mas a correção bondosa punitiva e a proteção das vítimas. Ver Santo Ambrósio, Santo Agostinho, São Tomás de Aquino, São Francisco Francisco de Vitória....E inúmeros santos e mártires sabem muito bem o que é o Islã.