quinta-feira, 26 de março de 2015

Vídeo: Os 125 mil Cristãos (que fugiram) do Iraque. E o Católico que luta contra EI.



Eles estavam lá desde o primeiro século depois de Cristo. É um vídeo impressionante que conta a história de uma era de silêncio dos líderes cristãos banhados de sangue cristão.

O vídeo também conta a história do católico Brett Felton (foto abaixo), soldado veterano dos Estados Unidos, que luta contra o Estado Islâmico. Ele diz de forma brilhante: "Eu estou aqui para servir os cristãos. É uma honra dá minha vida para eles"



Vejam o vídeo abaixo e em seguida parte do relato Joan Desmond sobre Brett, publicado no National Catholic Register.





On March 22, CBS' 60 Minutes provided a report on Iraq's ancient Christian community that is under attack by ISIS.You can watch the segment here.

The Overtime segment included a striking profile of a Catholic U.S. vet, Brett Felton, age 28, who has returned to Iraq to help train outnumbered, outgunned and underfunded Christian militias fighting ISIS north of Mosul.

"I'm not here serving my country. I'm here serving Christians," Brett Felton told 60 Minutes. He returned to his cradle-Catholic faith during a previous tour with the U.S. Army in Iraq and then went back as a volunteer to train the Christian militias. 

He is showing the local militias how to spot suicide vests and move comrades to safety during firefights with ISIS, among other exercises.

Felton told the 60 Minutes team that he understands the danger he faces.

"It would be an honor to give my life" to help Christians facing extinction from ISIS. You can watch the profile of Felton here.

Guerra entre Islâmicos


Iêmen é um pais sem governo, dominado por grupos terroristas islâmicos. Hoje, a Arábia Saudita bombardeou e invadiu o país, certamente, contra estes grupos terroristas que planejam entrar e destruir a dinastia saudita. Aliás, o Estado Islâmico vive prometendo atacar os sauditas.

Com isso, os outros países da região (maioria islâmica, mas tem também Israel) se preparam para a guerra. E o mundo econômico entra em desespero com receio do impacto sobre os preços do petróleo e de que recursos sejam alocados para a guerra.

Vejamos um relato da agência de notícias da Agência Estado:

KUWAIT AUMENTA SEGURANÇA EM COMPLEXOS DE PETRÓLEO APÓS ATAQUES NO IÊMEN, DIZ AGÊNCIA ESTATAL
Kuwait, 26/03/2015 - A Kuwait Petroleum e suas subsidiárias elevaram a segurança em seus complexos de petróleo no Kuwait e no exterior, após a Arábia Saudita e seus aliados iniciarem ataques aéreos contra insurgentes no Iêmen, de acordo com a agência de notícias estatal.

Segundo o executivo-chefe da companhia, Mohammad al-Farhoud, vários procedimentos e medidas de precaução foram tomados "para proteger interesses estratégicos do setor de petróleo". Ele não deu detalhes sobre os esforços.

As exportações de petróleo compõem cerca de 60% do Produto Interno Bruto (PIB) do Kuwait. O país do Golfo Pérsico é o 10º maior produtor de petróleo do mundo, de acordo com o Departamento de Energia do EUA (DOE). Fonte: Dow Jones Newswires.


quarta-feira, 25 de março de 2015

O Filme dos "LGBT Católicos"


Pois é tem um filme promovendo a aceitação completa pela Igreja Católica dos homossexuais, transsexuais, bissexuais, travestis....(o facebook contou mais de 50 orientações sexuais, depois de 50 resolveu colocar um espaço em branco para ser preechido).

O filme se chama Owing Our Faith e conta com um apoio de um padre chamado Patrick Conroy que alega que a sexualidade é mais do que simples procriação. Mas quando foi que a Igreja Católica negou que exista erotismo na sexualidade? Até onde eu sei, a Igreja diz que este erotismo é ótimo, é divino, mas ele deve ser bem ordenado, aberto e direcionado para a procriação.

Quem fez uma excelente análise do filme foi Rachel Lu da revista Crisis Magazine.

Ela critica o filme em si, a começar pelo fato que não há nenhum debate sério sobre o assunto no filme, no qual a posição da Igreja seria discutida, o filme "é pura emoção" que exige que a Igreja aceito o LGBT.  Como disse Lu, os do LGBT querem "dominar" (to own) a Igreja e não tentar entender a posição dela.

Vejamos uma parte bem importante do argumento de Rachel Lu, no qual ela discute três pontos:

1) a falta de debate do filme. O filme é apenas propaganda do LGBT;

2) Amar uma pessoa não significa aceitar tudo que ela faz.

3) Erotismo e a Doutrina da Igreja.

Dissent Trumps Faith in New “Catholic” LGBT Film




It’s difficult to argue with a film that isn’t working on the level of rational argument. Nevertheless, it’s worth responding to the general thrust and ethos of the film with three important points.
The first relates to the claim, made on the film’s website and in other promotional materials, that productions of this sort are created as part of an effort to “promote open dialogue” about same-sex attraction and related issues. This is exactly the opposite of their intent, and it’s important to be clear on this point. Propagandistic videos of this sort are intended to bypass, or even to shut down, any real or serious discussion of the moral dimensions of same-sex attraction.
In a dialogue, morally relevant issues are stated clearly so that they can be analyzed and considered. What we have here is a long string of emotional appeals. “My gender transition was immensely spiritual to me,” says Mateo Williamson, who self-identifies as a transgendered man. “Sexuality is how we express our inner soul, our inner energy,” enthuses Mike Roper who self-identifies as gay. In a particularly shameful piece of emotional blackmail, grandmother Nana Fotsch urges parents of same-sex attracted Catholics to accept their children’s declared sexual identity and related lifestyle choices or “you’re going to lose them.” (Don’t all of Christianity’s hard teachings have the potential to alienate us from loved ones? Shall we just jettison the whole Catechism right now? Our Lord has some rather stern words about those who prioritize family relationships above the truths of the Gospel.)
Though there’s nothing Catholic about its message, Owning Our Faith pursues a strategy that is entirely consonant with a larger (and thus far, remarkably successful) progressive project. Don’t try to win the argument about sexuality and marriage. Play for sympathy. Appeal to emotion. People today are so thoroughly confused about sex and marriage that they have few defenses against an onslaught of politically loaded sentimentalism. And you can’t lose an argument that you never have.
This leads us to the second important point. Uncomfortable as it may sometimes be, loving people just doesn’t entail approving everything they do. Neither should we accept anyone “exactly as he is,” because of course all of us are sinful, fallen and in need of transformation by grace.
This is not a message that these “owners of faith” want to hear. Katie Chiarantona, one of the film’s representative “straight” contributors, sums up the film’s prevailing view even more neatly by declaring that she cares enormously about the place of homosexuals in the Church because she has many LGBT friends and, “it is unconscionable and unthinkable for me to support an institution that doesn’t celebrate them and encourage them to live fully as who they are.”
Who among us can really say with any confidence that we know who our friends (or we ourselves) really are? This is a dangerous conceit. None of us here below have yet realized our perfected state. Most of us, I expect, still have a significant way to go. But progression towards supernatural fulfillment is not possible if we begin by issuing ultimatums to God about the conditions under which we will accept divine grace.
Such an effort brings to mind the parable of the wedding banquet, in which a king invites all and sundry (including the poor and commoners) to his son’s wedding, but ends up evicting one guest owing to a lack of appropriate wedding attire. Quite obviously, the king in the story is not a philistine when it comes to standing on ceremony; he’s just ushered the local riff-raff into the most formal of state affairs. Nevertheless, the guest who refuses to dress properly is forcibly removed. Clearly there is a lesson about the importance of accepting grace on God’s terms, and not our own. All of us are welcome at the Lord’s table, but we may not simply come as we are. Being Christian means looking for faith to change us, not the other way around.
This leads to the final point. While there is some space for discussing the appropriate pastoral response to deep-seated same-sex attraction, the Church’s broader position on same-sex attraction is perfectly clear. It is intrinsically disordered, and homoerotic relationships are immoral. There is no reason to think that this teaching can, should, or ever will change. Quite the contrary, once one understands the Catholic position on sexuality, it becomes clear that it cannot possibly be tweaked in such a way as to allow disgruntled LGBT activists the affirmation they seek.
Fr. Conroy’s position, as stated in the opening quote, is a straw man. Of course no reasonable person supposes that sexuality is “only about” procreation, if by that we mean that sex should be viewed in a coldly clinical light as a utilitarian means to achieving pregnancy. Clearly, erotic love involves far more than that, and how could it not, given the magnitude of what procreation really is? To even begin to do justice to that tremendous good (the begetting of immortal souls and perpetuation of the human race) erotic love must be a noteworthy thing indeed.
However, the Church has consistently maintained that erotic love, at least among mere humans, must be ordered towards procreation. Every effort to slice and dice the relevant pieces of the conjugal package into more-palatable portions (by sanctioning sex without marriage or marriage without permanence or erotic relationships of multiple sorts that are intrinsically closed to life) has been rejected by the Church, and for good reason. Embracing the life-giving nature of sex is the key that enables Catholics to articulate a noble, elevated and meaningful portrait of erotic love, which makes sex into something more than a tangled mash-up of bodies and emotions.
The conversation that dissenting LGBT Catholics (and their “straight allies”) want to have is already over. On some level they know this, which is why they seek sympathy instead of engagement. But there is some good news. For those who really do love their Church, full participation in its sacramental life is always available. They need do only what all Catholics are expected to do: stop trying to fix our faith, and pray instead for it to fix us.



terça-feira, 24 de março de 2015

Os Filhos de Casais Homossexuais Revelam suas Dores.


Qual a falta que faz um pai e uma mãe? Será que um pai e uma mãe são substituíveis, como dizem os casais homossexuais? Será que uma família pode ser formada por qualquer combinação de gênero? Com a palavra os filhos de casais homossexuais.

Dois artigos excelentes foram publicados no site The Federalist. O primeiro é um testemunho pessoal e o segundo é um texto mais analítico, que conta com vários depoimentos.

Vou destacar aqui apenas o primeiro texto, que é um testemunho pessoal. O outro é bem maior e faz uma análise mais completa, e ainda traz uma poesia tristes e palavras de dor de crianças criadas por homossexuais. Clique aqui para ler este último. Abaixo vão partes do testemunho pessoal, que é de Heather Barwick, que foi criada por um casal de lésbicas.

Ela revela com as mais penosas palavras o sofrimento de uma vida sem pai, apesar de amar as suas "duas mães", e relata que toda criança precisa de mãe e pai. E implora que os homossexuais sejam honestos: nada pode substituir um pai e uma mãe.

O texto é tão bom, belo e honesto que fica difícil colocar apenas partes. Mas aqui vão algumas partes.

Dear Gay Community: Your Kids Are Hurting
By Heather Barwick

Gay community, I am your daughter. My mom raised me with her same-sex partner back in the ’80s and ’90s. She and my dad were married for a little while. She knew she was gay before they got married, but things were different back then. That’s how I got here. It was complicated as you can imagine. She left him when I was two or three because she wanted a chance to be happy with someone she really loved: a woman.
I’m writing to you because I’m letting myself out of the closet: I don’t support gay marriage. But it might not be for the reasons that you think.

Children Need a Mother and Father

It’s not because you’re gay. I love you, so much. It’s because of the nature of the same-sex relationship itself.
Growing up, and even into my 20s, I supported and advocated for gay marriage. It’s only with some time and distance from my childhood that I’m able to reflect on my experiences and recognize the long-term consequences that same-sex parenting had on me. And it’s only now, as I watch my children loving and being loved by their father each day, that I can see the beauty and wisdom in traditional marriage and parenting.
Same-sex marriage and parenting withholds either a mother or father from a child while telling him or her that it doesn’t matter. That it’s all the same. But it’s not. A lot of us, a lot of your kids, are hurting. My father’s absence created a huge hole in me, and I ached every day for a dad. I loved my mom’s partner, but another mom could never have replaced the father I lost.
I’m not saying that you can’t be good parents. You can. I had one of the best. I’m also not saying that being raised by straight parents means everything will turn out okay. We know there are so many different ways that the family unit can break down and cause kids to suffer: divorce, abandonment, infidelity, abuse, death, etc. But by and large, the best and most successful family structure is one in which kids are being raised by both their mother and father.

Why Can’t Gay People’s Kids Be Honest?

Gay marriage doesn’t just redefine marriage, but also parenting. It promotes and normalizes a family structure that necessarily denies us something precious and foundational. It denies us something we need and long for, while at the same time tells us that we don’t need what we naturally crave. That we will be okay. But we’re not. We’re hurting.
Kids of divorced parents are allowed to say, “Hey, mom and dad, I love you, but the divorce crushed me and has been so hard. It shattered my trust and made me feel like it was my fault. It is so hard living in two different houses.” Kids of adoption are allowed to say, “Hey, adoptive parents, I love you. But this is really hard for me. I suffer because my relationship with my first parents was broken. I’m confused and I miss them even though I’ve never met them.”
But children of same-sex parents haven’t been given the same voice. It’s not just me. There are so many of us. Many of us are too scared to speak up and tell you about our hurt and pain, because for whatever reason it feels like you’re not listening. That you don’t want to hear. If we say we are hurting because we were raised by same-sex parents, we are either ignored or labeled a hater.
This isn’t about hate at all. I know you understand the pain of a label that doesn’t fit and the pain of a label that is used to malign or silence you. And I know that you reallyhave been hated and that you really have been hurt. I was there, at the marches, when they held up signs that said, “God hates fags” and “AIDS cures homosexuality.” I cried and turned hot with anger right there in the street with you. But that’s not me. That’s not us.
I know this is a hard conversation. But we need to talk about it. If anyone can talk about hard things, it’s us. You taught me that.
Heather Barwick was raised by her mother and her mother's same-sex partner. She is a former gay-marriage advocate turned children's rights activist. She is a wife and mother of four rambunctious kids.



segunda-feira, 23 de março de 2015

Papa Condena os de "Mentalidade de Doutor da Lei". Quem são estes "Doutores da Lei"?


Disse no Papa Francisco no última dia 17:

"A man - a woman – who feels sick in the soul, sad, who made many mistakes in life, at a certain time feels that the waters are moving -  the Holy Spirit is moving something - or they hear a word or ... 'Ah, I want to go!' ... And they gather up their courage and go.  And how many times in Christian communities today will they find closed doors!  'But you cannot, no, you cannot. You have sinned and you cannot. If you want to come, come to Mass on Sunday, but that’s it – that’s all you can do.’ So, what the Holy Spirit creates in the hearts of people, those Christians with their ‘doctors of the law’ mentality, destroy."

Traduzo:

"Um homem, uma mulher que se sente doente da alma, que fez erros na vida, e em certo momento sente que as águas estão se mexendo, o Espíriro Santo está agindo em algo, e eles ouvem um palavra "Ah, eu tenho que ir!...E eles conseguem coragem e vão. E quantas vezes nas comunidades cristãs de hoje em dia nós encontramos as portas fechadas! "Mas você não pode, não, você não pode. Voce pecou e você não pode. Se você  quer vir, venha para Missa, mas é isso - é o máximo que você pode fazer". Então, o que o Espírito Santo cria no coração das pessoas, aqueles cristãos com mentalidade de "doutores da lei" destroem."

Sem fazer qualquer análise de valor teológico da homilia do Papa, a fala dele é cheia de anacolutos, mas dá para entender. Eu, analisando apenas a lógica da argumentação, diria que ele quer dar mais do que a permissão à Missa a todos que "ouvem a voz do Espírito Santo."

A lógica exigira a definição de "voz do Espírito Santo", mas isto não caberia em um livro, quanto mais em um post de blog. Então ficamos com o debate sobre o que seria dado além da Sagrada Missa. O mais sagrado da Missa, é a comunhão, é a Eucaristia, que é o próprio sentido da Missa. A Igreja, em seus dois mil anos de história, possui prerrogativas Para que se possa receber o Corpo de Cristo, pela simples razão, que é o que há mais de Sagrado. Uma delas é que você é não esteja ainda sob algum pecado grave.

Analisando em termos do momento da Igreja, ao que parece o Papa gostaria que os divorciados que casaram novamente, e os que estão em relacionamento homossexuais pudesse receber a Eucaristia.

O problema,  segundo o Papa Francisco, seriam os "cristãos com mentalidade de doutores da lei", que não permitem que isso aconteça.

Será que ele está criticando os doutores da lei, como Cristo criticou os fariseus? 

Não me parece, pois Cristo criticou o comportamento dos fariseus e não a lei que eles defendiam!

Mas quem são estes cristãos "doutores da lei"?

Christopher Ferrara lembra de dois "cristãos com mentalidade de doutores da lei" que condenam a comunhão para divorciados que se casaram e casais homossexuais: 

- Papa João Paulo II e 

- Papa Bento XVI.

Bom, João Paulo II e Bento XVI contam com apoio da Bíblia e da Tradição e do Magistério da Igreja, além dos outros papas, com mentalidade de doutores da lei, que vieram antes deles.

Christopher Ferrara disse isso em um vídeo muito bom da Remnant TV.

Uma parte interessante do vídeo também, é quando Michael Matt lembra da presença das freiras em todos os momentos da vida no passado recente e fala com saudade desse tempo. Outra parte é quando Matt se pergunta por que o Papa Francisco ri tanto em tempos tão difíceis para Igreja, com tantas perseguições a cristãos no mundo. 

Vejam vídeo abaixo:





(Agradeço a indicação do vídeo ao site Vox Cantoris)

domingo, 22 de março de 2015

Onde Estão os Seguidores do Estado Islâmico?


Ontem, o jornal Estado de São Paulo denunciou recrutamento de jovens brasileiros para o Estado Islâmico. Já contaram 10 jovens prontos para a morte em ataques a civis, igrejas, monumentos, etc.

Hoje leio no Weasel Zippers uma pesquisa feita usando o twitter que dá uma ideia sobre onde estão os apoiadores do Estado Islâmico.

No Ocidente, Estados Unidos e Reino Unido se destacam.

É o avanço de um ideologia da morte em um mundo que despreza religião, em especial sua herança cristã.


sábado, 21 de março de 2015

O Santinho de Chesterton para Oração (Vamos fazer nossos)



Soube hoje que o processo de canonização de Chesterton está na fase de "prayer card" (santinhos), para que se peça intervenção de Chesterton e assim possamos chegar a sua canonização. Acima a versão do santinho em inglês.

No site da Sociedade Chesterton do Reino Unido, há os santinhos em várias línguas, mas não em português.

Vamos fazer os nossos. Aqui vai a tradução que fiz para a oração a Chesterton.

Deus, nosso Pai, Senhor que preencheu a vida do Teu servo Gilbert Keith Chesterton com um senso de reverência e alegria, e deu a ele uma fé que foi o fundamento do seu trabalho incessante, uma caridade para com todos os homens, em especial para seus oponentes, e uma esperança que brotou de sua permanente gratidão em relação ao dom da vida humana. Que a sua inocência, seu sorriso, sua contínua luta pela fé cristã em um mundo que perde a crença, sua permanente devoção a Santíssima Virgem Maria e seu amor por todos os homens, especialmente pelos pobres, traga entusiasmo para aqueles em desespero, convicção e fervor para os fiéis trépidos e o conhecimento de Deus para aqueles sem fé. Nós pedimos ao Senhor que nos conceda os favores que pedimos pela intercessão dele, o fim do aborto neste país [e especialmente por...] para que a santidade dele possa ser reconhecida por todos e a Igreja possa proclamá-lo Beato. Nós suplicamos em nome do Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.


Alô Sociedade Chesterton Brasil!


(Agradeço a indicação dos santinhos ao site New Advent)

sexta-feira, 20 de março de 2015

Papa Francisco fala que Pena de Morte é Inadmissível. E o que diz a Doutrina Católica?


Eu já falei aqui que a pena de morte é defendida por todos os doutores da Igreja. Isto mesmo, todos! Eu também indiquei diversos textos para ser lidos sobre o assunto, como os artigos de Feser. 

Estes textos mostram basicamente que na doutrina católica a pena de morte não é vista simplesmente como meio de afastar o criminoso da sociedade, deve-se também ter em mente a "justiça retributiva", que condena o criminoso de acordo com o crime cometido por ele. Não se trata de vingança.

Também pode ser encontrado defesa da pena de morte no próprio catecismo da Igreja, como bem lembrou Dr. Edward Peters. Catecismo da Igreja Católica (2267):

2267 O ensino tradicional da Igreja não exclui, depois de com provadas cabalmente a identidade e a responsabilidade de culpado, o recurso à pena de morte, se essa for a única via praticável para defender eficazmente a vida humana contra o agressor injusto. Se os meios incruentos bastarem para defender as vidas humanas contra o agressor e para proteger a ordem pública e a segurança das pessoas, a autoridade se limitará a esses meios, porque correspondem melhor às condições concretas do bem comum e estão mais conformes à dignidade da pessoa humana.

Mas o Papa Francisco resolveu hoje condenar a pena de morte. Ele disse que "Hoje em dia, a pena de morte é inadmissível". E também disse que a prisão perpétua era um tipo de pena de morte, sendo assim também seria inadmissível. Vejam as palavras dele abaixo:

“States kill when they apply the death penalty, when they send their people to war or when they carry out extrajudicial or summary executions. They can also kill by omission, when they fail to guarantee to their people access to the bare essentials for life. … On some occasions it is necessary to repel an ongoing assault proportionately to avoid damage caused by the aggressor, and the need to neutralise him could lead to his elimination; this is a case of legitimate defence. However, the presuppositions of personal legitimate defence do not apply at the social level, without risk of misinterpretation. When the death penalty is applied, it is not for a current act of aggression, but rather for an act committed in the past. It is also applied to persons whose current ability to cause harm is not current, as it has been neutralised – they are already deprived of their liberty”.

Nowadays the death penalty is inadmissible, no matter how serious the crime committed. It is an offence against the inviolability of life and the dignity of the human person, which contradicts God's plan for man and society, and his merciful justice, and impedes the penalty from fulfilling any just objective. It does not render justice to the victims, but rather fosters vengeance”.

On the other hand, life imprisonment entails for the prisoner the impossibility of planning a future of freedom, and may therefore be considered as a sort of covert death penalty, as they deprive detainees not only of their freedom, but also of hope. However, although the penal system can stake a claim to the time of convicted persons, it can never claim their hope”.



---

Se não pode pena de morte, nem prisão perpétua, pode prender até quanto tempo para não ferir sensibilidades dos criminosos? Será que o Brasil que não permite nem um dos dois casos de penalidades é exemplo de controle criminal? 

O Papa estaria pronto para mudar a Doutrina da Igreja com relação a isso? Ou é só um discurso para uma plateia que apoia a tese?

Se ele não fosse o Papa, eu faria uma recomendação, como ele é o Papa, eu rezarei por ele e pela Igreja.